Portugal aprova acordo que unifica língua portuguesa; ortografia muda no Brasil

Com as modificações, o trema deixará de ser usado e palavras como vêem e vôo deixarão de ser acentuadas

SÃO PAULO – O Parlamento de Portugal aprovou, na última sexta-feira (16), o acordo ortográfico que unifica a escrita do português em países nos quais essa é a língua oficial. As mudanças deverão ser adotadas em seis anos, sendo que, no Brasil, onde o acordo já havia sido aprovado, os livros escolares de 2010 já estarão com as novas regras.

Segundo a Agência Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe também já assinaram o acordo, faltando agora a assinatura de Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor Leste.

Para o governo português, a aprovação possibilita a existência de uma política internacional da língua portuguesa, que será anunciada quando o país assumir a presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em julho deste ano. O acordo, agora, deve passar pela sanção do presidente de Portugal.

PUBLICIDADE

“É necessário agora desenvolver uma política de internacionalização, consolidação e aprofundamento da língua portuguesa, e o acordo ortográfico é um instrumento para isso”, afirmou o ministro da Cultura, Antônio Pinto Ribeiro.

Polêmica

Porém, as propostas geraram polêmica no país europeu. Durante a votação, que terminou com três votos contrários, e votos a favor de todos os partidos políticos, muitos deputados portugueses se retiraram do plenário.

Na internet, também foi feita uma petição para tentar convencer os parlamentares a votarem contra. Com a participação de intelectuais, o documento dizia que o acordo significava que Portugal cedia aos interesses brasileiros. Desde o início do mês, foram 35 mil assinaturas.

Estudos lingüísticos apontaram que Portugal terá de mudar 1,42% das palavras de seus dicionários, enquanto o Brasil apenas 0,43%. Essas alterações consistem em eliminar palavras não pronunciadas, como o “c” em acto, direcção e selecção, que não são escritas da mesma forma no Brasil.

Mesmo assim, permanecerão algumas diferenças, como em gênesis, que em Portugal se escreve génesis.

Principais mudanças

Para os brasileiros, entre as novas regras, estão a eliminação do trema e mudanças no uso do hífen, que irá desaparecer em palavras cujo segundo elemento comece com “r” ou “s”, como anti-rábico, que passará a ser escrito “antirrábico”.

O acento circunflexo também deixará de ser utilizado em palavras como “vôo”, “enjôo”, “vêem” e “lêem”. Já o agudo irá desaparecer das palavras com ditongo aberto “ei” e “oi”, como nas palavras idéia e jibóia, e das vogais precedidas de ditongo, como “feiúra”.

As palavras “pára” (verbo), e “pêlo” (substantivo), acentuadas para diferenciação das preposições “para” e “pelo”, além do verbo “pélo”, também deixarão de ter o acento.