9 a 0

Por unanimidade, STF rejeita suspeição de Janot para atuar em processos contra Temer

Os ministros seguiram voto proferido pelo relator do caso, ministro Edson Fachin, que negou o mesmo pedido antes de o recurso chegar ao plenário

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Por unanimidade, os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitaram o pedido de suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em investigações relacionadas ao presidente Michel Temer, iniciadas a partir das delações da JBS. Foram 9 votos a zero contra o pedido da defesa do peemedebista.

Os ministros seguiram voto proferido pelo relator do caso, ministro Edson Fachin, que negou o mesmo pedido antes de o recurso chegar ao plenário. No voto proferido na sessão desta tarde, o relator disse não há indícios de Janot atuou de forma imparcial e com “inimizade em relação a Temer.

Segundo a Fachin, declarações do procurador à imprensa não podem ser consideradas como causa de suspeição. Na ação, a defesa de Temer também cita uma palestra na qual Janot disse que, “enquanto houver bambu, lá vai flecha”, fazendo referência ao processo de investigação contra o presidente.

Aprenda a investir na bolsa

No início do julgamento, a defesa do presidente Temer voltou a afirmar que Janot agiu de forma parcial nas investigações envolvendo o presidente. Ao subir à tribuna da Corte, o advogado Antônio Claudio Mariz, representante de Temer, disse que a prisão dos empresários Joesley e Wesley Batista, em cujas delações foram baseadas as acusações, podem indicar que Janot não teve os devidos cuidados na investigação.

Além da suspeição, os ministros do STF também vão analisar pedido para impedir Janot de apresentar uma nova denúncia contra Temer. Para Fachin, uma eventual nova denúncia contra Temer ainda terá de ser autorizada pela Câmara antes de ser analisada pelo STF. Uma das provas contestadas pela defesa são as gravações de Joesley Batista, um dos sócios da J&F, que gravou conversa com Temer.

(Com Agência Brasil)