Correção

Polícia Federal esclarece mal-entendido sobre destino das malas do “bunker” de Geddel

Dinheiro foi contabilizado e depositado em Salvador, informou a instituição após relato de escrivão

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em esclarecimento sobre o sumiço de duas malas apreendidas no apartamento supostamente utilizado por Geddel Vieira Lima, a PF (Polícia Federal) informou que o dinheiro foi contabilizado e depositado em Salvador, como não houve qualquer prejuízo financeiro. De acordo com a PF, as outras duas malas também estão em Salvador.

No relatório final do inquérito apresentado na tarde desta terça-feira (28), os investigadores apontavam o sumiço de duas malas apreendidas no “bunker” de Geddel, mas esse mal-entendido foi logo resolvido pela PF no final do dia. De acordo com o relato do escrivão Francisco Antônio Lima de Sousa, a Superintendência da PF na Bahia enviou para Brasília, sede das investigações, 7 das 9 malas registradas no auto de apreensão: “certifico que quando do recebimento do material encaminhado pela SRIPF/BA, referente à Operação Tesouro Pedido, através dos memorandos nº 3530/2017, 3531/2017 e 3532/2017, foi constatado a presença de somente 7 malas, sendo 6 grandes e 1 pequena, quando no Auto de Apreensão relaciona 9 malas, sendo 6 grandes e 3 pequenas”.

Para completar, a investigação da Polícia Federal aponta que as notas encontradas no “bunker” de Geddel foram distribuídas a partir de agências do Banco do Brasil na cidade de São Paulo entre os anos de 2012 e 2015.

PUBLICIDADE