Política

PMDB precisa ter a Presidência da República em 2018, diz Michel Temer

Vice-presidente disse ainda que o poder político que o partido tem atualmente não é suficiente para executar aquilo em que a legenda acredita

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Durante a reunião das lideranças do PMDB em Belo Horizonte, o vice-presidente, Michel Temer, disse que o partido precisa “ter a Presidência da República em 2018”. Apesar da declaração, o peemedebista afirmou, durante uma entrevista coletiva, que não será o candidato do partido.

“Dizer que o PMDB não tem poder político, tem. Nós temos novos prefeitos, vereadores, deputados estaduais, federais, senadores, a Presidência da Câmara [dos Deputados], a Presidência do Senado, modestamente a vice-presidência da República, nós temos poder político. O que nós precisamos é ter a Presidência da República em 2018”, disse o vice-presidente.

Ele disse ainda que o poder político que o partido tem atualmente não é suficiente para executar aquilo em que a legenda acredita. “Enquanto nós não tivermos isso, nós ficamos apenas no verbo. E o verbo hoje não tem sido suficiente. Nós temos que ter meio, caneta, para executar aquilo que o verbo peemedebista relata, escreve”, afirmou.

Aprenda a investir na bolsa

Sobre sua relação com a presidente Dilma Rousseff, Temer voltou a negar que tenha tido um papel de articulador nas pressões em favor de um processo de impeachment. “Jamais fui articulador do impeachment”, disse. “Eu não me meto nessa história, não entro nessa história”, afirmou.

O encontro também foi marcado por muitas críticas ao governo Dilma, sendo a mais dura vinda do ex-deputado Newton Cardoso. “Nunca vi na minha vida um governo tão podre como esse atual. Podre. Se não fosse o Michel Temer, eu já estaria nas ruas com a bandeira do impeachment. Um governo irresponsável, cheio de ladrões. Governo podre, sem rumo, sem orientação. O governo da Dilma está sem rumo”, disse.