Impeachment no Senado

Placar indicará se impeachment de Dilma será definitivo, afirma professor do Ibmec

Porém, mesmo com menos de 54 votos, o que ele acha improvável, a tendência é que a presidente Dilma não volte

(Bloomberg) — Placar do Senado fará diferença para Michel Temer e se favoráveis à admissibilidade do processo somarem 54 votos será um indicativo forte de que vai acontecer o impeachment de Dilma Rousseff em definitivo, diz Márcio Coimbra, coordenador do MBA de Relações Institucionais do Ibmec, em entrevista por telefone.

  • “Mesmo com menos de 54 votos, o que acho improvável, a tendência é que a presidente não volte”
    • “Se ela for afastada hoje ou amanhã, o que acontece é que ela não volta. Temer vai estar com a caneta e qualquer melhora na vida econômica, na vida das pessoas, deve consolidar a posição de que o presidente Temer tende a ficar em definitivo”
  • “Entre Temer e a Dilma existe uma avenida que os divide em termos de habilidade política. Eles são opostos”
    • “Ele é um político que tem capacidade de criar maioria, tem habilidade de acomodar forças. E a presidente Dilma mostrou que o principal defeito é falta de diálogo e o de criar maiorias no Congresso”
  • “Estratégia do PT será tentar procrastinar o processo. A chance de ela voltar não está em ser absolvida, mas sim se o processo demorar e houver jogada regimental”
    • “Podemos ver possibilidade de judicialização, com uma avalanche de ações. Daí vamos ficar muito nas mãos do Supremo”
    • “De qualquer modo, qualquer processo que se desenrole daqui em diante será favorável para Temer. Vejo as forças políticas atuando ao redor de Temer, vejo maioria no Congresso, inclusive para reformas constitucionais”
  • “Não vejo a possibilidade de sobrevida do PT. Só se for por instrumento regimental. A possibilidade de Dilma voltar é de 5% a 10%”
  • “Não acredito na candidatura de Temer em 2018. Só acredito que vá cumprir e sair da vida pública, até em função da idade”
    • “Ele será uma ponte para um novo governo. Se tiver sucesso pode ser o eleitor que pode desequilibrar uma campanha presidencial”
    • “A única coisa que pode interceptar o governo Temer é a Lava-Jato, se envolvê-lo ou alguém próximo a ele”
  • NOTA: Coimbra tem no currículo a diretoria do Comitê de Política Acadêmica do Institute of World Politics, em Washington, e atuação como estrategista político chefe no Senado, segundo perfil no site do Ibmec
  • NOTA: Renan disse que fará esforço para que votação de hoje no Senado acabe até 22:00