Presidente

PGR não vê elementos para investigar Bolsonaro por supostas irregularidades no MEC

Vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo pediu a extinção de petições que cobravam apuração de fatos relativos ao MEC

Por  Reuters

BRASÍLIA (Reuters) – A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou não ver elementos para investigar o presidente Jair Bolsonaro por supostas irregularidades na liberação de verbas no Ministério da Educação, em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Em comunicado divulgado na noite de terça-feira, a PGR disse que a mera citação a Bolsonaro não é “capaz de imputar àquele a condição de investigado”. Ressalvou que, se surgirem indícios durante o inquérito, ele poderá passar a ser alvo da apuração.

Responsável pela manifestação, a vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, pediu a extinção de três petições que cobravam a apuração de fatos relativos ao MEC. Argumentou que já há um inquérito instaurado pelo STF a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, referente aos mesmos fatos.

Procurada, a Advocacia-Geral da União (AGU) não respondeu de imediato a pedido de comentário.

No final de março, o então ministro da Educação, Milton Ribeiro, pediu demissão do cargo em meio a suspeitas de que ele teria favorecido pastores evangélicos na distribuição de recursos da pasta. Ele é um dos alvos de um inquérito conduzido pela Polícia Federal sobre esse e outros fatos envolvendo a sua gestão à frente do ministério.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe