Investigação

PF vê indícios de organização criminosa do PMDB na Câmara e diz que Temer recebeu R$ 31,5 milhões

É esperado que este relatório sirva como base para uma nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer

SÃO PAULO – Em relatório de conclusão, a Polícia Federal afirmou nesta segunda-feira (11) que vê indícios de formação de organização criminosa dos integrantes do PMDB na Câmara. Entre os citados estão o presidente Michel Temer, os ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Alves, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha.

No relatório do chamado “quadrilhão”, a PF afirma que Temer recebeu R$ 31,5 milhões de vantagens por participar da organização criminosa formada por políticos, que atuou na Petrobras e na administração federal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo a PF, “o grupo mantinha estrutura organizacional com o objetivo de obter direta e indiretamente vantagens indevidas em órgãos da administração pública direta e indireta”. O grupo é acusado de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, fraude em licitações e evasão de divisas, entre outros crimes.

PUBLICIDADE

O relatório com as conclusões do inquérito foi enviado para o Supremo Tribunal Federal porque entre os apontados como responsáveis estão políticos com foro privilegiado no STF. É esperado que este relatório sirva como base para uma nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer.