Entre as 15 finalistas

Petrobras concorre a “prêmio” de maior escândalo de corrupção do mundo; “disputa” é grande

Entidade Transparência Internacional abre hoje uma votação para escolher o caso mais simbólico de corrupção; 15 casos estão entre os finalistas

SÃO PAULO – A entidade Transparência Internacional, referência no combate para a corrupção no mundo, abre nesta quarta-feira (9) uma votação para escolher o caso mais simbólico de corrupção. E, entre as candidatas para o “prêmio”, está a Petrobras (PETR3;PETR4), por conta do esquema deflagrado pela Operação Lava Jato no ano passado e que teve muitos desdobramentos neste ano.

A votação é parte da campanha “Desmascarar a Corrupção” e ocorrerá até o dia 9 de fevereiro. O caso da Petrobras está entre os “15 finalistas”, que passaram por uma peneira de 383 casos propostos para a eleição. 

Entre os “concorrentes” para o prêmio, estão diversos casos notórios de corrupção, alguns deles também envolvendo brasileiros. Banco Espírito Santo, de Portugal, Zine Al Abidine Ben Ali, o ex-presidente da Tunísia, a Fifa, o ex-presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, o ex-líder do Egito Hosni Mubarak, o comércio de pedras preciosas em Myanmar, a situação de Teodoro Obiang na Guiné Equatorial, a empresa pública China Communications Construction Company, o estado americano de Delaware ou o ex-presidente da Ucrânia Viktor Yanukovych também podem se “consagrar” vencedores da premiação. 

PUBLICIDADE

No caso da Fifa, muitos brasileiros estão envolvidos, foram indiciados ou estão sendo investigados pela Justiça dos EUA. Dentre eles, os ex-presidentes da CBF Ricardo Teixeira, José Maria Marin, João Havelange e o presidente licenciado da Confederação Marco Polo Del Nero. Já no caso do Panamá, as suspeitas também recaem sobre o envolvimento da empreiteira Odebrecht no pagamento de propinas: a companhia é uma das investigadas na Lava Jato e seu presidente, Marcelo Odebrecht, que foi preso no âmbito da Operação.

Em comunicado, a entidade destaca que a grande corrupção é o abuso do poder em alto nível que beneficia poucos a custos de muitos e provoca danos graves aos indivíduos e à sociedade. “Muitas vezes, ficam impunes. Tratam-se de milhões de vítimas em todo o mundo”, afirma.

“Queremos que o maior número possível de pessoas se engajam no combate à corrupção e nós vamos ajudar a concentrar esses esforços, mostrando o que precisa ser feito pelos governos e indivíduos. Nós estamos chamando a todos para fazer parte da grande luta para acabar com a corrupção e trazer os corruptos para a Justiça “, disse o presidente da entidade, o peruano Jose Ugaz. A votação ocorre pelo site https://www.unmaskthecorrupt.org/.

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir: