RADAR INFOMONEY Petrobras vai se transformar na nova máquina de dividendos da Bolsa? Assista ao programa desta 6ª

Petrobras vai se transformar na nova máquina de dividendos da Bolsa? Assista ao programa desta 6ª

A visão do mercado

Pesquisa XP: Ibovespa superaria 80 mil pontos com Doria presidente em 2018; veja projeções

Pesquisa realizada pela XP Investimentos com investidores institucionais também aponta para um cenário bem diferente do que registram os últimos levantamentos 

SÃO PAULO – Uma pesquisa realizada pela XP Investimentos com 168 investidores institucionais e mais 400 assessores de escritórios afiliados, representando mais de 50% dos recursos sobre gestão no Brasil,  mostra que o mercado está vendo um cenário bastante diverso do que se apontam as últimas pesquisas de intenção de voto. A maior parte dos investidores institucionais vê um tucano vencendo as eleições de 2018, o que deve dar um sinal de continuidade para a agenda reformista implementada pelo atual governo – bastante impopular, por sinal. 

A pesquisa foi feita entre os dias 31 de julho e 2 de agosto e não reflete a opinião da XP. Ela traz, como uma das perguntas, “quem será o vencedor da eleição presidencial de 2018?” A seguir, são feitas várias simulações sobre cenários de bolsa e dólar com diferentes candidatos saindo vencedores das eleições. 

42% dos investidores institucionais apontam que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), deve ser o vencedor da eleição do ano que vem, enquanto 38% veem o também tucano governador paulista Geraldo Alckmin como o novo presidente brasileiro. Só 6% acreditam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltará ao Planalto.  Empatados com 3% das respostas, estão o deputado Jair Bolsonaro e a ex-senadora Marina Silva (Rede), enquanto o senador Alvaro Dias (Podemos) obteve 2% das respostas. Outros somaram 6%.  A pesquisa também perguntou “quem seria um vencedor alternativo” – um terço dos respondentes informaram suas opiniões, com  Luciano Huck, Henrique Meirelles e Joaquim Barbosa empatados em primeiro lugar e sendo seguidos por Bernardinho e Fernando Haddad. 

 A XP também fez a pesquisa sobre quem deverá vencer as eleições com os escritórios afiliados – e o resultado foi um tanto diferente quando comparado aos investidores institucionais: 61% acreditam que Doria será o vencedor, seguido por Bolsonaro, com 15%. Alckmin ficou em terceiro com 12%, Lula ficou em quarto com 5% e Alvaro Dias tem com 3%. Já Marina Silva e Ciro Gomes (PDT) tiveram 1% das respostas, enquanto outros somaram 2%. 

A outra parte da pesquisa com investidores institucionais contém simulações sobre os cenários para bolsa e dólar caso Lula, Bolsonaro, Alckmin, Marina, Doria, sejam eleitos. Os cenários extremos aparecem com Lula e Doria. 

Na simulação com Lula presidente, os investidores apontam um desfecho negativo para bolsa, com 96% indicando que o Ibovespa recuaria do patamar atual. Para mais de 80% o Ibovespa recuaria para patamar abaixo de 55 mil pontos – ou seja, investidores enxergam ao menos uma queda de 17% no índice).  96% veem uma queda do índice em relação ao patamar atual. “Chama a atenção o fato de que 18% apontam uma queda para abaixo de 40 mil pontos, o que representaria cerca de 40% de queda do Ibovespa, algo próximo dos 42% de queda na crise de 2008”, destacam os analistas da XP, Celson Plácido e Gustavo Cruz. Já sobre o dólar, novamente os  investidores se mostraram pessimistas, com 98% indicando que o câmbio brasileiro se desvalorizaria: 31% indicam que a moeda americana subiria para um patamar acima de R$ 4,10. Para 47% dos respondentes a moeda se desvalorizaria ao menos 25%. 

Confira as projeções com Lula presidente:

Com Doria presidente, os investidores apontam um desfecho positivo para bolsa,
com 94% indicando que o Ibovespa subiria na comparação com o patamar atual. Para mais de 58%, o Ibovespa avançaria para acima de 80 mil pontos, uma alta de 20% no índice. Apenas 6% acreditam em uma queda do índice com atual prefeito paulistano vencendo. Para o dólar, novamente os investidores se mostraram positivos, com 75% indicando que a divisa iria para abaixo dos R$ 3,00, enquanto 35% indicam que iria para menos de R$ 2,80. Já para 6% dos respondentes, o dólar poderia se valorizar para um patamar acima de R$ 3,30.

PUBLICIDADE

Confira as projeções com Doria presidente:

 

 

O cenário também seria positivo para os mercados com Alckmin presidente. Para mais de 75% o Ibovespa avançaria para um patamar acima de 70 mil pontos, sendo que 26% dos investidores enxergam o índice a 80.000 pontos. Apenas 12% acreditam em uma queda do índice com o atual governo paulista se saindo vencedor. Para um cenário de dólar, 46% indicaram que o câmbio brasileiro se valorizaria, com o dólar abaixo dos R$ 3,00. Já 13% indicam que a moeda iria para abaixo de R$ 2,80. Por outro lado, 14% dos respondentes veem o real se desvalorizando, indo acima de R$ 3,50.  Vale destacar que o PSDB quer definir quem será seu candidato a presidente da República ainda este ano, em uma nova convenção nacional para renovar toda a direção do partido, prevista para ocorrer em dezembro, na hipótese de existir consenso partidário. 

Confira as projeções com Alckmin presidente:

 

PUBLICIDADE

Com Jair Bolsonaro, que está de “mudança” do PSC para o PEN, os investidores institucionais apontam para um desfecho negativo para bolsa, com 88% indicando que o Ibovespa recuaria dos atuais patamares. Para mais de 59%, o Ibovespa recuaria para baixo de 55 mil pontos, ou seja, investidores enxergam ao menos uma queda de 17% no índice, enquanto apenas 12% acreditam em uma alta do índice com Bolsonaro vencendo. Para um cenário de dólar, novamente investidores se mostraram pessimistas e 89% indicaram que o câmbio brasileiro se desvalorizaria – 15% indicam que a divisa americana subiria para um patamar acima de R$ 4,10, enquanto 44% dos respondentes veem a moeda indo acima dos R$ 3,70. 

Confira as projeções com Bolsonaro presidente:

 

Por fim, com Marina Silva, os investidores também apontam um desfecho negativo para o Ibovespa, mas com um quadro menos definido. Ao mesmo tempo que 24% indicam que o índice recuaria para menos de 50 mil pontos, 24% apontam que o índice se valorizaria. Para o dólar, 75% indicaram que o câmbio brasileiro se desvalorizaria, sendo que 30% indicam que a moeda subiria para um patamar entre R$ 3,30 e R$ 3,50, enquanto 45% indicam que o dólar subiria para um patamar acima de R$ 3,50. 

Segundo Gustavo Cruz, ao levar em conta os dados da pesquisa, as eleições de 2018 não parecem estar precificadas hoje na Bolsa e no dólar, uma vez que o cenário apontado como mais provável é da vitória de um candidato tucano, levando a bolsa a subir 20% e o dólar ir abaixo de R$ 3,00. Entre as surpresas, Cruz ressalta a grande aversão ao risco do mercado a uma possível eleição de Lula, assim como o resultado espontâneo de uma alternativa para o pleito do ano que vem. Isso porque Luciano Huck e Bernardinho, que nunca tiveram cargo político, apareceram nas primeiras posições. Sobre Bolsonaro, Cruz ressalta que o cenário tende mais para o lado negativo, mas ainda há muitas incertezas, com a pesquisa mostrando ainda muitas dispersões de opinião.