Pesquisa revela que 93% das empresas têm regras claras de uso da web

Apesar da assinatura de termo com políticas sobre uso da Internet, funcionários continuam realizando atividades de risco

SÃO PAULO – Pesquisa realizada pela Websense no Brasil, Chile, Colômbia e México, revelou que 93% das empresas possuem políticas claras de uso da Internet, que são acatadas por meio de assinatura de termo. No entanto, as técnicas utilizadas por elas não têm se mostrado efetivas, pois os funcionários continuam realizando atividades de risco.

Cerca de 78% das organizações fazem com que os funcionários atendam às políticas de uso da web, filtrando conteúdos através de um software, sendo que o México é o país em que menos empresas utilizam dessa ferramenta (72%). De qualquer maneira, a pesquisa revelou que ela não protege contra todos os tipos de ameaças.

Comportamento dos funcionários

Segundo a Websense, 56% dos funcionários realizam atividades potencialmente perigosas a partir do PC do escritório, sendo que 8% admitiram ter acessado, de forma acidental ou deliberada, material para adultos enquanto trabalhava com o computador da empresa. Os colombianos e os mexicanos são os mais propensos a realizar atividades indesejáveis: 60% realizam tais visitas ante 42% dos trabalhadores do Chile.

PUBLICIDADE

Ainda segundo o estudo, 60% dos funcionários utilizam sistemas de mensagens instantâneas durante o expediente, sendo que 10% usam exclusivamente para fins pessoais e 12%, para o trabalho e propósitos pessoais. Outro risco apontado pela pesquisa refere-se à concessão do uso do computador da empresa a familiares ou amigos: 8% dos entrevistados fazem isso.

Do ponto de vista dos gerentes de tecnologia existem três principais riscos à segurança de Tecnologia da Informação: quando os funcionários clicam em um anúncio publicitário (apontado por 64% dos gerentes), quando o funcionário permite que um familiar ou amigo use o computador da empresa (56% dos gerentes) e quando os funcionários enviam documentos corporativos às suas contas de e-mail pessoais (41% dos gerentes).