ESPERADA PARA QUARTA

Partido político quer desistir de ação que pode tirar Lula da cadeia

"Entramos com esse processo há 2 anos pensando na sociedade e não em petista, até porque sou de direita", afirmou presidente do PEN

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O presidente nacional do PEN (Partido Ecológico Nacional), Adilson Barroso, afirmou nesta segunda-feira (9) que o partido pretende retirar a ação que questiona no STF (Supremo Tribunal Federal) a prisão em segunda instância, fato que poderia beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Se tiver jeito de retirar, eu retiro (…) se não tiver jeito, o que vou fazer? A lei é igual para todos. Eu não entrei pelo Lula. Entramos com esse processo há 2 anos pensando na sociedade e não em petista, até porque sou de direita. Nunca defendi petista, nunca gostei do PT. Lula não tinha processo contra ele. Agora vem a possibilidade de ajudar a esquerda que mais criou problema de corrupção no País”, afirmou Barroso em entrevista ao O Estado de S. Paulo.

O ministro do STF, Marco Aurélio Mello, disse que pode levar a julgamento na próxima quarta-feira (11) o pedido do PEN que pretende rever a decisão do STF de 2016, que autoriza a prisão após o fim dos recursos na segunda instância. Dessa forma, poderia ser derrubado o resultado do julgamento que negou no último dia 4 de abril o habeas corpus para evitar a prisão de Lula.

PUBLICIDADE

“Não entrei com processo para defender cidadão que cometeu crime, mas para que os ministros dessem uma compreensão, uma orientação para nós se pode ou não pode prender, e eles já disseram que pode. Era só isso que eu queria saber. Que se cumpra a justiça e seja firme no que se falou há um tempo. Não pode mudar o voto agora”, disse o presidente do PEN.