Parlamento da Finlândia pode recusar ajuda financeira a Portugal

Representantes políticos mostram-se contra o pacote de resgate; país nórdico vive eleições parlamentares no domingo

SÃO PAULO – A Finlândia deverá recusar uma ajuda financeira a Portugal, decisão que conta com o apoio de 48% da população local. Agências internacionais revelam que o ministro das finanças do país nórdico, Martti Salmi, acredita que Portugal deve entrar em “falência”, enquanto membros do partido social democrata defendem a reestruturação da dívida lusitana através de investidores privados.

Ressalta-se também o fato de que a Finlândia terá eleições parlamentares no próximo dia 17, sendo que o até então pequeno partido True Finns apresenta um forte avanço nas pesquisas eleitorais. Se estes alcançarem uma participação maior do que as pesquisas indicam e os atuais partidos anti-resgate mantiverem suas posições, é possível que o parlamento seja composto por um governo mais crítico aos atuais programas de resgate, indica relatório do Danske Bank.

Ajuda pode ser compartilhada
Deste modo, caso a recusa se oficialize, os países da Zona do Euro devem dividir o valor entre si, mas tal operação teria que ser aprovada por unanimidade. Caso contrário a decisão cabe ao mecanismo de ajuda da União Europeia, que teria que convocar os respectivos parlamentos a se pronunciarem.