Para Itaú, substituição de Agnelli por membro do PT seria negativo

Mercado especula que CEO da Vale será substituido, apesar do mesmo já ter negado tal informação anteriormente

SÃO PAULO – Em meio às especulações de que o atual CEO (Chief Executive Officer) da Vale (VALE3 VALE5), Roger Agnelli, seria substituído por alguém ligado ao governo, o analista Marcos Assumpção, da Itaú Corretora, indica que tal troca pode ser vista como uma maior intervenção na companhia, o que seria negativo em termos de governança corporativa.

Apesar de Agnelli já ter negado que exista uma pressão por parte do Governo, além da própria Vale ter enviado um comunicado à imprensa na qual afirma que a questão jamais foi tratada entre os acionistas nem fez parte da pauta do Conselho de Administração da companhia, os rumores são de que a substituição pode de fato ocorrer.

Nomes cotados
De acordo com a revista Veja, o PT já teria listado alguns nomes para substituir Agnelli, sendo eles Antonio Palocci, Guido Mantega, Luciano Coutinho (atual presidente do BNDES) e Aldemir Bendine (CEO do Banco do Brasil).

PUBLICIDADE

O partido acredita que Bendine seria o nome com maiores chances de substituir Agnelli de fato, já que ele mantém conversas com o PT em Minas Gerais e busca apoio de Ricardo Flores, presidente da Previ, segundo a revista.