Duas poderosas em baixa

Para FT, carreira de Graça Foster pode estar perto do fim (e a de Dilma também)

Jornal diz que a carreira de Graça pode estar no fim por conta da corrupção na Petrobras; segundo o jornal,  a insatisfação popular com Dilma aumenta e, “se os protestos seguirem podem, em breve, tirar do cargo as duas mulheres mais poderosas do país”

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em um texto em que ressalta o perfil da presidente da Petrobras (PETR3;PETR4), Graça Foster, a reportagem do Financial Times fez uma previsão aterradora sobre a trajetória da executiva: a carreira dela está “perto do fim”. Vale ressaltar que, na semana passada, o jornal fez um artigo crítico sobre a Petrobras, em que destacou que a crise na petrolífera está levando ao “caos no Brasil” e poderia derrubar governo.

De acordo com o jornal britânico, a carreira de Graça pode terminar por conta dos escândalos de corrupção deflagrados pela Operação Lava Jato. E não só ela, destaca o jornal no final do seu texto: a publicação diz que a insatisfação popular com o governo Dilma aumenta e, “se os protestos seguirem adiante podem, em breve, tirar do cargo as duas mulheres mais poderosas do país”.

Voltando ao perfil da presidente da estatal, o jornal destaca que “Maria das Graças Foster não é uma executiva comum. Para começar, ela é a primeira mulher a presidir uma gigante petrolífera. Ela cresceu em uma região carente do Rio de Janeiro e trabalhou como catadora de alumínio para se sustentar. Após o fim da faculdade, ela entrou como estagiária na Petrobras, onde acumulou um amplo conhecimento no setor de petróleo , capaz de superar muitos especialistas. Infelizmente, essa carreira de sucesso pode acabar de uma forma bem conhecida pelos latino-americanos: um escândalo de corrupção”.

Aprenda a investir na bolsa

“É uma carreira notável, mas que parece provável que acabe de uma forma tristemente familiar para os padrões latino-americanos: com um escândalo de corrupção. Ao longo dos últimos meses, a Petrobras ficou envolvida na maior investigação de suborno e propina na história do Brasil. Os promotores acreditam que, durante grande parte da década passada, executivos da Petrobras conspiraram com as maiores construtoras do Brasil para inflar os contratos da empresa de petróleo, roubar bilhões de dólares para financiar estilos de vida luxuosos, pagaram subornos e canalizaram o dinheiro para os políticos, em grande parte, do PT”, ressalta o jornal.

E a reportagem ressalta que, mesmo não sendo alvo de acusações na Lava Jato, a executiva já ofereceu sua demissão diversas vezes à presidente Dilma Rousseff, que vem sendo negada sistematicamente. 

O jornal ouviu especialistas, que destacaram que a insistência de Graça se deu porque nenhum executivo gostaria de comandar a empresa no atual estado em que ela se encontra. Além de ter que enfrentar uma investigação na SEC (Securities and Exchange Commission), a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) nos EUA, a Petrobras deve seguir afastada dos mercados de capital e há riscos de calote técnico após a PwC se recusar a aprovar o seu balanço em novembro. 

Sem comemorações no Carnaval
O jornal destaca que, para este Carnaval, os foliões já estão se preparando para a festa com máscaras da presidente da estatal Graça Foster. 

No entanto, é pouco provável que ela veja o lado engraçado o Carnaval, afirma o jornal. Segundo o FT, mais do que a maioria dos executivos, Graça entende a luta dos menos afortunados e que a capacidade deles de aceitar decepções tem limites. “Os manifestantes tomaram as ruas para exigir o impeachment de Dilma Rousseff em meio ao escândalo – uma proposição que está ganhando alguma simpatia no Congresso. Dilma Rousseff, que foi presidente do Conselho da Petrobras quando grande parte da corrupção supostamente ocorreu, negou qualquer envolvimento no suposto esquema”, ressaltou o FT.

“Se os manifestantes conseguirem o que querem, as duas mulheres mais poderosas do país podem estar em breve sem um trabalho”, conclui o jornal. 

PUBLICIDADE