Mais rebaixamentos

País deve perder grau de investimento de todas as agências, avalia Bradesco Asset

Para o economista chefe da Bradesco Asset Management, o cenário brasileiro para o início do próximo ano dependerá "do equacionamento do déficit público", independente de quem estiver no governo

arrow_forwardMais sobre

O economista chefe da Bradesco Asset Management (Bram), Fernando Honorato Barbosa, afirmou nesta quinta-feira, 10, em conferência de projeções para 2016, que “com alta probabilidade perderemos o grau de investimento por todas as agências de investimento”. Para ele, o cenário brasileiro para o início do próximo ano dependerá “do equacionamento do déficit público”, independente de quem estiver no governo.

“Se o equacionamento de forças políticas melhorar contas públicas, há espaço para melhora de ativos, mas, sem ajuste fiscal encaminhado, teremos preços bastante piores, com câmbio de R$ 4,80 a R$ 4,90”, disse. “Esse quadro fiscal terá de ser enfrentado por quem quer que esteja no País nos próximos anos”, completou ele sobre a crise política e a abertura do processo de impeachment que pode afastar a presidente Dilma Rousseff.

Honorato avalia que o déficit fiscal será de R$ 120 bilhões este ano e que o Brasil deve fechar com R$ 55 bilhões de déficit em 2016. “A dívida bruta (dívida local mais externa) sai de 51% do PIB em 2011 para 77% do PIB em 2017, e nem somos tão pessimistas”, comentou.

PUBLICIDADE

Inflação
Honorato afirmou, ainda, que ninguém recomenda alta de juros em País cuja demanda doméstica cai 6%, mas que o comportamento da inflação no Brasil fará com que o Banco Central (BC) ainda reaja com novas altas na taxa básica de juros em 2016. “É pouco razoável esperar alta forte de juros, mas o BC não vai ficar sentado esperando quando vê uma inflação se deteriorando e vai subir juros entre 150 e 200 pontos no próximo ano”, disse ele em conferência do banco de investimentos.

Barbosa avaliou que o pico do desemprego no País deve ocorrer no segundo trimestre de 2016, para uma taxa entre 10% e 11% por conta do ajuste das empresas, o que pressionará a inadimplência. O economista, no entanto, avalia que a balança comercial tem reagido bem à desvalorização do real, com alta este ano e que o ajuste do setor externo será a grande força da economia – ainda que não seja sozinho responsável pela recuperação do País.

“O Brasil está ficando barato em salários em dólar e a ociosidade da indústria, apesar de ser ruim no curto prazo, será positiva no futuro porque o setor terá capacidade de reagir”, completou.

Entre os indicadores, a Bram projetou queda de 3% no Produto Interno Bruto (PIB), com cenário de recuperação no segundo semestre de 2016. O câmbio deve encerrar o próximo ano em R$ 4,40, “com o viés de ser mais baixo”, a taxa básica de juros ficará em 16,25% e o IPCA em 7% ao final de 2016.

Indagado se o processo de impeachment ainda poderia influenciar a economia em 2016, Barbosa repetiu “que quem sair do processo (de impeachment), sairá fortalecido” e emendou: “quanto antes o tema for resolvido, melhor”.

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir: