Fisiologismo

Padilha admite toma lá dá cá do governo por apoio no Congresso

Em contraste com o reconhecimento do pragmatismo, ministro orgulha-se dos 88% de apoio no parlamento

SÃO PAULO – O ministro da Casa Civil Eliseu Padilha afirmou, em palestra realizada na Caixa Econômica Federal, que o governo escolhe seus auxiliares com base no número de votos que ele pode garantir no Congresso. A fala do braço-direito do governo Michel Temer ocorre em meio às disputas na base pela indicação do substituto de Alexandre de Moraes — em mudança para o Supremo Tribunal Federal — no ministério da Justiça.

Em seu discurso, Padilha citou como exemplo o caso da indicação do então deputado federal Ricardo Barros para o ministério da Saúde. “A Saúde é de vocês, mas gostaríamos de ter um notável”, contou o ministro ter dito ao PP. “Diz para o presidente que nosso notável é o deputado Ricardo Barros”, afirmou Padilha ter ouvido do comando da legenda.

O ministro da Casa Civil também afirmou que o objetivo do governo é chegar aos 88% de apoio no Legislativo. “Não há na história do Brasil um governo que tenha conseguido 88% do Congresso. Isso Vargas não teve, JK não teve, FHC não teve, Lula não teve, só nós que conseguimos”, disse.

PUBLICIDADE