Pacheco: votação da reoneração da folha de pagamento deve ficar para a semana que vem

O acordo fechado entre Congresso Nacional, governo e representantes empresariais tinha previsão de que o projeto fosse votado ainda na quarta-feira (10), mas o relatório foi apresentado sem tempo hábil para análise dos senadores

Equipe InfoMoney

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o líder do governo no Senado Federal, Jaques Wagner (PT-BA), durante sessão no plenário (
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o líder do governo no Senado Federal, Jaques Wagner (PT-BA), durante sessão no plenário ( Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Publicidade

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou, na quarta-feira (10), que a votação da proposta para retomar a reoneração gradual da folha de pagamento de 17 setores da economia deve ficar para a semana que vem.

O acordo fechado entre Congresso Nacional, governo e representantes empresariais tinha previsão de que o projeto fosse votado ainda na quarta-feira (10), mas, segundo Pacheco, o relatório foi apresentado sem tempo para análise dos senadores.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

“Agora muito em cima da hora sem conhecer o parecer, acho que não vai ser muito bem-recebido”, afirmou a jornalistas.

Mais cedo, Pacheco se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA) e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), no Palácio do Planalto.

“Acho que pode ser um acordo possível [votar nesta quinta-feira], mas vamos ter semana que vem”, observou o presidente do Senado.

Continua depois da publicidade

O conteúdo do acordo tramita na forma do projeto de lei (PL) 1.847/2024, do senador licenciado Efraim Filho (União-PB), e é relatado pelo senador Jaques Wagner (PT-BA), líder do governo no Senado. O acordo prevê a volta gradual da tributação sobre a folha de pagamento de certos segmentos e de municípios até 2028.

A reoneração começa no próximo ano, com a contribuição patronal dos 17 setores à Previdência Social sendo feita da seguinte forma:

Já para este ano, o regime de transição prevê um acréscimo de arrecadação do governo federal que não envolva aumento de tributos, como forma de atender a compensação imposta pelo ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Continua depois da publicidade

Idas e vindas

Prorrogada até o fim de 2027, após a aprovação de um projeto de lei que cinco ministros do Supremo consideraram inconstitucional, a desoneração da folha de pagamento permite que empresas de 17 setores substituam a contribuição previdenciária, de 20% sobre a folha de pagamento dos empregados, por uma alíquota de 1% a 4,5% sobre a receita bruta.

Em vigor desde 2012, a desoneração era uma política que, ao beneficiar empresas de diferentes setores com redução de tributos previdenciários, tinha o objetivo de fazê-las contratarem mais trabalhadores.

No fim do ano passado, o Congresso aprovou o projeto de lei que também reduziu de 20% para 8% da folha a contribuição para a Previdência Social de pequenos municípios.

Continua depois da publicidade

O presidente Lula vetou o texto, mas o Congresso derrubou o veto no fim do ano passado.

Nos últimos dias de 2023, o governo editou uma medida provisória revogando a lei aprovada. Por falta de acordo no Congresso para aprovar o texto, o governo concordou em transferir a reoneração para projetos de lei.

No entanto, no fim de abril, a Advocacia-Geral da União recorreu ao Supremo. O ministro Cristiano Zanin, do STF, acatou o pedido de suspensão imediata da desoneração da folha e da ajuda aos pequenos municípios, e a decisão foi seguida pela maioria dos magistrados do tribunal. Desde então, o governo vem tentando chegar a um acordo com os 17 setores da economia, que deverá ser consolidado com a aprovação desse PL.

Continua depois da publicidade

(Com Agência Brasil)