Pacheco diz que só vai decidir sobre devolver MP da reoneração após conversar com Haddad

Presidente do Senado se reuniu com líderes partidários e disse que revogação dificilmente avançaria no Congresso

Lucas Sampaio

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), conversa com o presidente do Senado Federal (e do Congresso Nacional), Rodrigo Pacheco (PSD-MG), durante o evento"Democracia Inabalada", em Brasília, em 8 de janeiro de 2024 (Foto: Jonas Pereira/Agência Senado)

Publicidade

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou nesta terça-feira (9), após reunião com líderes, que a MP da reoneração “gerou estranheza por desconstruir algo que o Congresso decidiu”, mas que não vai tomar uma decisão antes de conversar com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT).

Pacheco tem sido pressionado por parlamentares e empresários a devolver ao governo federal a MPV 1202/2023, que foi editada no fim do ano e prevê a reoneração gradual da folha de pagamentos, modifica regras de incentivos fiscais, acaba com o benefício do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) e impõe um limite para compensação anual de créditos decorrentes de decisões judiciais.

Nove frentes parlamentares enviaram um ofício ao presidente do Senado, pedindo que ele devolva o texto. Eles invocam o artigo 48 do regimento interno da Casa, que diz que compete ao presidente “impugnar as proposições que lhe pareçam contrárias à Constituição Federal, às leis ou ao referido regimento”. Eles dizem também que a MP vai reonerar “os setores que mais geram empregos na economia nacional”.

Continua depois da publicidade

A MP foi editada após deputados e senadores aprovarem a prorrogação da desoneração da folha de pagamentos até 2027. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou a vetar a extensão do benefício, mas seu veto foi derrubado pelo Congresso Nacional.

A rebelião dos parlamentares é o primeiro risco de derrota para o governo em 2024. Pacheco convidou líderes partidários para a reunião de hoje para ter um termômetro político sobre a MP. Após o encontro, o político afirmou que há percepção dos líderes de que há vício no texto e que vai conversar a tarde com quem não pôde participar.

O presidente do Senado, no entanto, ressaltou que não vai tomar uma decisão, de devolução parcial ou total da MP, sem antes conversar com Haddad. Disse também que vai consultar o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e antecipou que a revogação da desoneração dificilmente avançaria no Congresso.

Um dos presentes na reunião foi o senador Efraim Filho (União Brasil-PB), autor do projeto de lei que prorrogou a desoneração da folha para 17 setores da economia por mais 4 anos. O político afirmou após o encontro que “o encaminhamento foi para devolução total da MP”.

Efraim afirmou que a devolução traz segurança jurídica para que os setores afetados possam se planejar, mas caberá a Pacheco a decisão final. Disse ainda que o governo poderia enviar um Projeto de Lei sobre a reoneração e que isso seria “uma sinalização de diálogo com o Congresso”. “Escutamos da maioria dos líderes que a melhor alternativa seria devolver a MP e enviar um PL”.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Lucas Sampaio

Jornalista com 12 anos de experiência nos principais grupos de comunicação do Brasil (TV Globo, Folha, Estadão e Grupo Abril), em diversas funções (editor, repórter, produtor e redator) e editorias (economia, internacional, tecnologia, política e cidades). Graduado pela UFSC com intercâmbio na Universidade Nova de Lisboa.