Em entrevista ao Valor

Ou Dilma reassume o governo ou será o caos, diz Delfim Netto

O ex-ministro alerta para destruição de valor que patrocinada pelo governo nos últimos anos: "nós fizemos essa destruição de valor cuidadosamente, competentemente", critica

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Para o ex-ministro e ex-deputado Antonio Delfim Netto, Dilma precisa reassumir o governo ou viveremos o caos, com a materialização de dois ou três anos de recessão e um longo período de crescimento muito baixo. 

Em entrevista ao Valor, o economista defendeu a necessidade da presidente assumir responsabilidade e ir, dia 2 de fevereiro, ao Congresso Nacional com os projetos de reforma constitucional e infraconstitucional para evitar o caos. São 4 projetos de reforma essenciais: da Previdência Social, do mercado de trabalho, de desindexação e da desvinculação dos gastos orçamentários. “Em algum momento temos que saber quem é o responsável pelo Brasil”, instiga. 

Segundo ele, a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de transferir para o Senado a decisão final sobre o impeachment matou a possibilidade de o processo avançar e é tempo da população entender isso. Agora, o que tem que ser feito é a presidente retomar seu posto ou País viverá uma tragédia: “o presidencialismo não funciona sem presidente”, disse.

Aprenda a investir na bolsa

O ex-ministro criticou também as propostas do ex-presidente Lula para tentar reanimar a economia via expansão de crédito, enquanto chama atenção para destruição de valor que patrocinada pelo governo nos últimos anos: “a siderurgia vale hoje 5% do que valia. A Petrobras vale 5% do que valia. E isso não ocorre porque caiu o preço do minério de ferro, nem porque caiu o preço do combustível. Nós fizemos essa destruição de valor cuidadosamente, competentemente”, enfatiza.

Ele descarta também a possibilidade de o governo conseguir entregar o superávit primário de 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) este ano, apesar de achar que o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, possa vir a surpreender no rigor com o ajuste fiscal.