Entrevista à Folha

Os campeões da corrupção estão soltos, diz aliado de Lula

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Gilberto Carvalho diz que a força-tarefa da Operação Lava Jato não está fazendo Justiça, mas Justiçamento

SÃO PAULO – A 24ª fase da Operação Lava Jato, Aletheia, marcou o caminhar das investigações do importante combate à corrupção para se tornar instrumento de perseguição política. Essa é a avaliação do ex-ministro e chefe de gabinete de Luiz Inácio Lula da Silva nos oito anos de gestão, Gilberto Carvalho. Em entrevista à jornalista Natuza Nery, ele mostrou receio com uma suposta “invasão de concepção ideológica dos principais agentes” sobre as ações da força-tarefa.

“Os procuradores e, ao que tudo indica, o Dr. Sergio Moro, têm uma necessidade de provar que os agentes do PT formam uma quadrilha e que o capo dessa quadrilha, que antes era o José Dirceu, agora é o presidente Lula”, afirmou durante a conversa. “Eles constrangem os fatos. Aquela entrevista coletiva dada na sexta em Curitiba, particularmente a participação do Dr. Carlos Fernando [procurador da Lava Jato], deve ficar gravada para a história como a demonstração mais cabal do que eu estou dizendo. O tempo todo ele ficou pré-julgando”.

Carvalho diz que a tese dos investigadores seria de que “o dinheiro da Petrobras é roubado por empresas coordenadas pela quadrilha do PT e que o dinheiro roubado irrigou campanhas eleitorais, deram um apartamento a Lula e fizeram uma chácara a ele”. “Essa é a tese. Eles vão ter que provar isso. Não tem nenhuma disso! Até porque, pela história do país, os cartéis que se formam entre as empresas, e a maneira que elas corrompem os agentes públicos, não é por comando político. O problema político aparece em virtude do financiamento de campanhas, que todos os partidos praticam”, argumentou.

PUBLICIDADE

Para ele, há uma grande ilusão do povo com relação às capacidades da Operação Lava Jato. Segundo o ex-ministro, “os campeões da corrupção” estão soltos, com redução de pena e devolução de “pequenas quantias” daquilo que estão acusados de terem se apropriado. “Quem está ficando na cadeia em Curitiba é o Marcelo Odebrecht, que se negou a fazer delação, e os políticos. Isso é combate à corrupção?”, questionou em entrevista à Folha de S. Paulo. “Estão criando no Brasil uma espécie de neofascismo. Pois não estão fazendo Justiça, estão fazendo Justiçamento”.