Fique de olho

Os 5 eventos que vão agitar os mercados na semana

Confira os assuntos que agitarão os mercados nos próximos dias

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Enquanto o exterior fica de olho no resultado das eleições italianas e ainda repercute as indicações de maior protecionismo comercial nos EUA, no Brasil também chama a atenção nesta segunda-feira (5) a nova fase da Operação Carne Fraca, que tem a BRF como alvo. Durante a semana, atenção para os dados de produção industrial e IPCA de fevereiro, enquanto os EUA terão o relatório de emprego. Confira os destaques desta segunda e da semana para os mercados:

1. Bolsas mundiais

Após chegarem a operar em queda, os contratos futuros norte-americanos negociam praticamente estáveis, ainda refletindo a decisão de Trump em elevar a taxação sobre aço e alumínio diante de um crescente temor por guerra comercial, fator que pressionou os mercados asiáticos.

Aprenda a investir na bolsa

A Europa, por sua vez, repercute as eleições italianas. De acordo com números preliminares, a coalizão de centro-direita foi a vencedora, com aproximadamente 37% dos votos, ao passo que o Movimento 5 Estrelas obteve 31% e a coalizão de centro-esquerda, 23%. Contudo, o Parlamento local ficou sem um partido com maioria absoluta. Vale destacar que, a coalizão vencedora é formada pelo partido Forza Italia, cujo membro mais ilustre é Silvio Berlusconi, e pela Liga o Norte, que tem uma proposta ainda indefinida acerca da participação da Itália na Zona do Euro. Diante disso, a bolsa italiana operava em baixa, contrariando o movimento positivo dos outros índices.

No mercado de commodities, o petróleo iniciou a semana em alta após informações de que houve problemas na produção da Líbia no fim de semana. Enquanto isso, os contratos futuros de minério de ferro recuavam na China refletindo a decisão de Trump.

Às 7h11 (horário de Brasília), este era o desempenho dos principais índices:

*Dow Jones Futuro (EUA) -0,02%

*S&P 500 Futuro (EUA) -0,07%

*CAC-40 (França) +0,43%

PUBLICIDADE

*FTSE (Reino Unido) +0,42%

*DAX (Alemanha) +0,82%

*FTSE MIB (Itália) -0,97%

*Hang Seng (Hong Kong) -2,28% (fechado)

*Shangai (China) +0,09% (fechado)

*Nikkei (Japão) -0,66% (fechado)

*Petróleo WTI +0,78%, a US$ 61,73 o barril

*Petróleo brent +0,65%, a US$ 64,79 o barril

PUBLICIDADE

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian -3,61%, a 520 iuanes (nas últimas 24 horas)

*Bitcoin US$ 11.466,30 +2,01%

R$ 37.201 -0,13% (nas últimas 24 horas)

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

2. Noticiário político
O último fim de semana foi bastante movimentado no noticiário político. Em destaque, a colunista Eliane Cantanhêde, do jornal O Estado de S. Paulo, afirmou que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, está sendo cotado para ser o vice na chapa encabeçada por Geraldo Alckmin nas eleições presidenciais. Contudo, o jornal Valor Econômico desta segunda-feira aponta que Meirelles descarta ser vice e atribui essa notícia a movimento dos tucanos e até de seu próprio partido, o PSD. Enquanto isso, de olho no tempo de TV, o governador de São Paulo avançou nas articulações com partidos do chamado “centrão” e conta com promessas de apoio que lhe garantem pelo menos 21% do no horário eleitoral gratuito, aponta o Estadão. 

De olho no cenário eleitoral, vale destacar ainda a pesquisa Ipsos publicada pelo Estadão no último domingo, que mede a aprovação e a desaprovação da atuação dos nomes questionados. Em fevereiro, a desaprovação de Lula foi de 56% (contra 54% em janeiro) e sua aprovação de 42% (ante 44% no mês anterior). Alckmin registrou aprovação de 20% dos entrevistados e desaprovado por 68% – suas taxas pouco oscilaram nos últimos três levantamentos do Ipsos. Enquanto isso, Jair Bolsonaro (PSC-RJ) registrou aprovação de 24% e desaprovação de 58%, ao passo que Meirelles é aprovado por apenas 5%, enquanto Michel Temer e Rodrigo Maia por 4%. 

Durante a semana, no campo político, o principal evento será o julgamento pelo STJ (Supremo Tribunal de Justiça) do pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula pelos seus advogados, na terça-feira (6). Lula foi condenado, em segunda instância, a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex.

3. Agenda de indicadores doméstica
Os dados de atividade seguirão no radar. Nesta segunda-feira, atenção para o PMI de serviços e composto apresentado pelo Markit às 10h, mas as atenções estarão voltadas ao resultado da produção industrial de janeiro na terça-feira (6), às 9h, com expectativa de boa recuperação em relação mesmo mês de 2017, avaliam os economistas da GO Associados. O dado deve mostrar queda mensal de 2,6%, devolvendo os ganhos de 2,8% em dezembro. Por outro lado, na comparação com janeiro de 2017, o setor mostrar alta de 4,9%, indicando que a indústria segue em recuperação, apesar da elevada volatilidade na comparação mensal dos últimos dois meses.

PUBLICIDADE

Já na sexta-feira (9), o IBGE divulga no mesmo horário o IPCA referente ao mês de fevereiro e o mercado projeta alta de 0,36%, mantendo a inflação no acumulado em 12 meses abaixo do piso da meta, em 2,89%. Caso a inflação permaneça comportada, crescerá ainda mais as apostas de que o Copom irá cortar a Selic novamente em março em 25 pontos-base, para 6,50%.

4. Mercado de olho no exterior
A “bomba” jogada por Trump no mercado com a taxação de aço e alumínio importados elevou a tensão nos investidores, que devem seguir atentos aos próximos passos do que muitos estão chamando de início de uma guerra comercial. Mas além disso, a agenda de indicadores também ganha força nos EUA e Europa.

Na quarta-feira (7), o Federal Reserve divulga o Livro Bege, relatório elaborado pelas sedes locais da autoridade americana e que indica a percepção deles em relação a economia do país. Com isso, o documento ganha importância já que é um bom indicador de como o Fed está projetando suas altas de juros. Na sexta-feira (9), o Departamento de Trabalho dos EUA divulga o Relatório de Emprego do mês de fevereiro, com o mercado esperando pela geração de 200 vagas de trabalho e manutenção da taxa de desemprego em 4%.

Na Europa, serão divulgados dados de atividade ao longo da semana, como vendas do varejo na segunda e a terceira estimativa do PIB da  zona do Euro, na quarta-feira. Mas, o principal evento será a reunião de política monetária do BCE (Banco Central Europeu), que ocorre na quinta-feira (8). Os dirigentes do BCE devem manter os juros próximos de 0%, sendo que a expectativa recai sobre o comunicado e os planos para o fim do programa de estímulo monetário do bloco. Diante da recuperação da atividade na Zona do Euro, o programa de recompra de ativos deve se encerrar até o fim do ano. Para conferir a agenda completa de indicadores, clique aqui.

5. Noticiário corporativo

As notícias negativas continuam atingindo a BRF: segundo o Estadão, o ex-presidente da companhia, Pedro de Andrade Faria, foi um dos presos na operação Trapaça, uma das fases da Carne Fraca, iniciada na manhã desta segunda-feira, que cumpre 91 mandados decretados pela Justiça Federal do Paraná, mirando investigar denúncias de manipulação de análises laboratoriais. Ainda no radar da empresa, a empresa comunicou que recebeu dos fundos Previ e Petros proposta de composição do Conselho de Administração, contendo 10 indicados – vale ressaltar que o pedido de Assembleia, requerido pelos fundos, será apreciado na próxima Reunião Extraordinária do Conselho.

A Petrobras informou que houve o início da fase não vinculante referente aos processos de cessão da totalidade de direitos de exploração, desenvolvimento e produção em cinco campos terrestres, localizados nos Estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Sergipe. Além disso, a estatal informou que não há deliberação sobre o modelo de venda da Liquigás, repercutindo as notícias de que seria realizado um IPO da distribuidora de gás. A Eletrobras informou que procedeu com a desverticalização da Amazonas Distribuidora de Energia, de modo que a Amazonas Energia e a Amazonas GT deverão celebrar novos contratos de compra e venda de energia, para que preservem o nível de contratação da Amazonas Distribuidora de Energia. No campo das recomendações, Itaú, Itaúsa e Banrisul foram elevadas a “outperform” pelo Credit Suisse. Por último, faleceu Raul Randon, presidente do conselho da Randon.

Durante a semana, vale ficar atento ainda à temporada de resultados.Serão pelo menos 28 balanços que serão apresentados, com destaque para os números da Embraer (EMBR3), Localiza (RENT3), B2W (BTOW3), Lojas Americanas (LAME4) e Marfrig (MRFG3).

(Com Agência Estado e Agência Brasil)