Fique de olho

Os 5 eventos que vão agitar os mercados na semana

Confira os assuntos que agitarão os mercados nos próximos dias

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Os mercados internacionais têm uma segunda-feira (19) sem direção, com o minério de ferro mantendo sua derrocada. Nos EUA, os receios com a trajetória da taxa de juros voltaram a ser o foco, uma vez que nesta semana o Fed provavelmente aumentará a taxa de juros.

No Brasil, o destaque fica para a agenda de indicadores, com divulgação do Relatório Focus e do IBC-Br nesta manhã. Além disso, nesta segunda, acontecerá o vencimento de opções sobre ações na B3, o que promete trazer volatilidade ao índice. Durante a semana, atenção ainda para os dados do IPCA-15 e para o Copom no Brasil. Confira os destaques:

  1. 1. Bolsas mundiais

Os contratos futuros norte-americanos recuam nesta manhã, de olho na reeleição de Vladimir Putin na Rússia e na espera pela reunião do Federal Reserve que acontecerá nesta semana, a primeira comandada por Jerome Powell. A expectativa é que o Fed volte a elevar juros no dia 21 de março, o que seria o primeiro ajuste desde dezembro, mas os investidores estarão atentos às possíveis sinalizações que indiquem quantas vezes as taxas básicas poderão ser aumentadas em 2018.

PUBLICIDADE

Sobre as eleições russas, Putin foi reeleito com vitória acachapante: 76,6% dos votos, porém o analista política Alexander Rahr, consultado pelo CNBC, afirmou que o presidente deverá provocar mudanças em sua política, tendo em vista a crescente chamada por mudanças, realizadas pelos jovens russos.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem direção definida. No Japão, a bolsa fechou em queda, pesando novamente as acusações de uma venda irregular de terreno que afetam o primeiro-ministro Shinzo Abe e ainda em meio a preocupação com o cenário político nos EUA, culminando na valorização do iene frente ao dólar. Na China, por outro lado, o dia foi positivo após o Congresso Nacional do Povo confirmar novos mandatos para o presidente Xi Jinping e o primeiro-ministro Li Keqiang, além de nomear Yi Gang para chefiar o PBoc (banco central chinês), no lugar de Zhou Xiaochuan, que ficou no comando da instituição por 15 anos.

O minério de ferro continua em sua trajetória de queda e acumula perdas de 4,54% (a 484 iuanes) na China, em meio à apreensão sobre os estoques no país, que subiram para níveis sem precedentes; o receio de decepções sobre demanda também pesam. Vale destacar ainda que as tarifas norte-americanas ao aço e alumínio entram em vigor nesta semana.

Enquanto isso, o petróleo também recua, com aumento de produção nos EUA e aguardando a divulgação dos seus estoques na próxima quarta-feira.

Às 8h20 (horário de Brasília), este era o desempenho dos principais índices:

*S&P 500 Futuro (EUA) -0,54%

PUBLICIDADE

*Dow Jones Futuro (EUA) -0,52%

*DAX (Alemanha) -0,88%

*FTSE (Reino Unido) -1,26%

*CAC-40 (França) -0,68%

*FTSE MIB (Itália) -0,40%

*Nikkei (Japão) -0,90% (fechado)

*Shangai (China) +0,30% (fechado)

*Hang Seng (Hong Kong) +0,04% (fechado)

*Petróleo WTI -0,42%, a US$ 62,08 o barril

*Petróleo brent -0,38%, a US$ 65,96 o barril

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian -4,54%, a 463 iuanes (nas últimas 24 horas)

*Bitcoin US$ 8.219,96 -6,49%
R$ 26.987 +4,7% (nas últimas 24 horas)

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

2. Agenda doméstica

Na abertura da semana, o primeiro indicador a ser apresentado é o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), na segunda-feira (19) às 8h30 (horário de Brasília). A projeção dos analistas consultados pela Bloomberg é de um ligeiro recuo de 0,2% ante o mês de dezembro, com o fraco resultado da indústria e dos serviços, que caíram 2,4% e 1,9%, respectivamente.

Mas o destaque fica para a definição de juros do Copom (Comitê de Política Monetária) na quarta-feira, a partir das 18h. Desde a última semana o mercado já passou a cravar um novo corte da Selic, que levaria a taxa para 6,50% ao ano, na 12ª redução consecutiva. 

Já na sexta-feira (23), será a vez do IBGE divulgar o IPCA-15 de março, que deve mostrar alta de apenas 0,20% segundo projeção da Bloomberg, levando o acumulado em 12 meses para abaixo do piso da meta, em 2,90%. Ainda sem data definida, o Ministério do Trabalho deve divulgar os dados do Caged referente ao mês de fevereiro na próxima semana. A GO Associados estima geração líquida positiva de 145 mil vagas de emprego formal no mês. 

3. Agenda externa

No exterior, a agenda tem como principal evento a decisão de política monetária do Fomc (Federal Open Market Committee) na quarta-feira, com revelação da decisão às 15h. A expectativa predominante no mercado é que o Comitê subirá o juro em 25 pontos-base, levando a taxa para o intervalo entre 1,5% e 1,75% ao ano.

Além do Fomc, atenção para alguns dados de inflação e serviços na Europa, enquanto nos EUA vale ficar atento a discursos de três membros do Federal Reserve. Além disso, na quinta-feira (22), também serão apresentados dados de emprego e os PMIs da indústria e serviços norte-americanos. Para conferir a agenda completa de indicadores, clique aqui.

4. Notícias do dia

No campo político, atenção para o noticiário sobre pressões para que o STF altere a decisão de permitir a prisão de condenados após julgamento em segunda instância por conta do julgamento dos recursos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O ministro Marco Aurélio Mello pode motivar a discussão em plenário sobre a prisão em 2ª instância. Além do PT e de partidos da base, a ministra Cármen Lúcia sofre pressão de colegas para colocar o assunto em pauta.

o jornal O Estado de S. Paulo informa que o  presidente Michel Temer já começou a avisar seus principais interlocutores que está disposto a disputar a reeleição presidencial. O presidente acha que poderá melhorar de situação com a confirmação da recuperação da economia e com outras medidas que pretende adotar até o final de seu mandato.  Enquanto isso, O Globo informa que, convidado para entrar no MDB, Henrique Meirelles também avalia filiação a outro partido. 

Em destaque nas eleições estaduais, a Folha de S. Paulo informa que o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) comunicou ao partido que aceita discutir sua candidatura ao governo de Minas, num movimento que favorece a campanha do governador Geraldo Alckmin. Já João Doria venceu as prévias do partido com 80% dos votos e será o candidato a governador de São Paulo. Sobre o assunto, Alckmin afirmou à Folha que as eleições serão fragmentadas e que “o povo está meio cansado dessa brigalhada política”. Por outro lado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse ao Correio Braziliense que o governo “quer candidato para defender o passado”.

5. Noticiário corporativo

Em destaque no radar corporativo, o CEO da Suzano , Walter Schalka, estima que as sinergias entre a empresa e a Fibria aparecerão em 2 ou 3 anos e podem alcançar até R$ 10 bilhões. Ainda sobre a união das operações, a Moody’s afirmou rating “Ba1”, com perspectiva negativa, tanto para a Suzano quanto para a Fibria após o anúncio do negócio, já a Fitch rebaixou a perspectiva deste último papel de “positiva” para “estável”. Por outro lado, a Suzano foi elevada de “BB+” para “BBB-” pela S&P.

A JBS, por sua vez, concluiu a venda da Five Rivers por cerca de US$ 200 milhões. No radar de recomendações, a BRF foi rebaixada a “neutra” pelo UBS, com preço-alvo de R$ 28,50, enquanto que a Magazine Luiza foi rebaixada a “market perform” com preço-alvo elevado de R$ 59 para R$ 94 pelo Itaú BBA. O Itaú BBA ainda elevou o preço-alvo das ações da Multiplan para R$ 76 e os elevou para “outperform”. Cabe destacar também que no Infotrade, o destaque do dia é a Petrobras, que abriu caminho para a recuperação, na visão do analista Rafael Ribeiro.