Perspectivas

Os 4 eventos que irão definir o rumo do mercado na próxima semana

Tudo que o investidor precisa saber antes de operar na próxima semana

arrow_forwardMais sobre
(Shutterstock)

SÃO PAULO – Diante da queda desta sexta-feira, o Ibovespa encerrou a semana com perdas de quase 2% de olho principalmente no cenário externo, com as tensões entre Estados Unidos e China no radar. Para os próximos dias, o tema deve seguir em destaque, enquanto a agenda de indicadores perde força.

Na política, atenção para as articulações do novo governo de Jair Bolsonaro, com possíveis anúncios sobre membros de sua equipe. Mas o foco ainda ficará com as reformas, que seguem emperradas e cada vez mais distantes.

O caso da Previdência tem tido reviravoltas quase todos os dias e o mercado tenta projetar as chances do projeto passar no Congresso e quando isso poderá acontecer. Por falar em Congresso, duas pautas importantes seguem no legislativo e devem ser importantes de serem monitoradas: cessão onerosa e Cadastro Positivo.

PUBLICIDADE

Último Copom do ano
Na quarta-feira (12) se encerra a última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) de 2018, com uma expectativa unânime dos analistas de que a Selic deverá ser mantida em 6,50% ao ano.

No cenário atual, após o IPCA desta semana registrar uma deflação maior que a esperada e em um cenário de dados mais fracos de emprego nos EUA, que reduzem as chances de um aperto maior na política do Federal Reserve, o que se vê é um mercado ainda projetando alta da Selic em 2019. Por outro lado, há quem acredite que os juros ficarão estáveis ao longo do próximo ano.

Guerra comercial e petróleo
No exterior, as atenções se voltam para a disputa comercial entre EUA e China, que após a trégua anunciada durante a reunião do G20, voltou a ficar tensa com a prisão da diretora financeira da Huawei, Wanzhou Meng. A cada dia agora, novas notícias e falas devem agitar este cenário.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

Outro ponto importante é o petróleo, que teve uma última semana bastante agitada. Nesta sexta-feira, por exemplo, o barril da commodity virou de uma queda de quase 2% para alta de mais de 5% após o anúncio de um acordo para o corte de produção da Opep.

Agenda de indicadores
A agenda doméstica fica mais calma, com destaque para a pesquisa mensal do comércio e serviços de outubro que devem dar os primeiros sinais do ritmo da atividade brasileira no último trimestre do ano. Para a equipe da GO Associados, o varejo ampliado deve ter recuo de 1,1% no mês, enquanto os serviços devem cair 0,3%. Os dois, por outro lado, devem ter ganhos no acumulado de 12 meses.

PUBLICIDADE

Já nos EUA, os investidores ficarão atentos às publicações dos índices de inflação ao produtor, que saem na terça-feira (11), e aos índices de inflação ao consumidor na quarta-feira (12), ambos relativos ao mês de novembro.

Também na quarta, sai o balanço fiscal do mês passado. A semana traz ainda, na sexta-feira (14), os números das vendas do comércio, da produção industrial de novembro e o PMI de serviços Markit. Na Europa, o destaque fica com a decisão do BCE (Banco Central Europeu), na quinta-feira.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!