MERCADOS AO VIVO EUA criam 307 mil vagas no setor privado em novembro, abaixo do esperado, mostra relatório ADP

EUA criam 307 mil vagas no setor privado em novembro, abaixo do esperado, mostra relatório ADP

Depois passou

Os 24 deputados que em menos de 24 horas passaram a apoiar a redução da maioridade penal

O PSB foi o partido em que mais deputados inicialmente contrários à proposta passaram a apoiá-la; já Pena, do PV, enganou-se sobre a votação e, depois de votar a favor, votou contra a redução

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na madrugada desta quinta-feira (2), a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos no caso de crimes hediondos (estupro, sequestro, latrocínio, homicídio qualificado e outros), homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.

A emenda dos deputados Rogério Rosso (PSD-DF) e Andre Moura (PSC-SE) à PEC da maioridade penal (PEC 171/93) deixa de fora da redução da maioridade outros crimes, como roubo com causa de aumento de pena, tortura, tráfico de drogas e lesão corporal grave. Esses crimes constavam do substitutivo da comissão especial para a matéria, rejeitado na madrugada desta quarta-feira (1º).

Foi essa a estratégia do presidente da casa Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para converter os votos necessários e reverter a derrota do projeto na véspera, quando conquistou apenas 303 votos favoráveis, quando o mínimo para a aprovação de propostas de emenda à Constituição depende de um mínimo de 308 votos. Nesta sessão, o placar ficou em 323 votos favoráveis a 155 contrários, enquanto 2 parlamentares se abstiveram.

Aprenda a investir na bolsa

Enquanto a manobra de Cunha foi bastante criticada, vinte e quatro deputados que tinham votado contra a redução da maioridade penal da primeira vez mudaram de ideia, conforme destaca reportagem do jornal O Globo de hoje. 

E os votos deles foram decisivos para aprovar a PEC, que tinha sido rejeitada faltando apenas cinco votos. Outros três deputados fizeram o caminho inverso: apoiaram a PEC no primeiro dia mas, no segundo, votaram não ou se abstiveram.

O PSB foi o partido em que mais deputados inicialmente contrários à proposta passaram a apoiá-la. Foram eles: Heráclito Fortes (PSB-PI), Paulo Foletto (ES), Tereza Cristina (MS) e Valadares Filho (SE). 

Já no PMDB, quatro deputados mudaram de posição para apoiar a redução, enquanto um votou contra. Celso Maldaner (SC), Dulce Miranda (TO) e Lindomar Garçon (RO) fazem parte do primeiro caso, enquanto Marcelo Castro (PI), absteve-se. No segundo caso, estava Marcelo Castro (PI), que tinha apoiado a PEC e agora se absteve.

No PDT, Abel Mesquita Jr (RR), Marcelo Matos (RJ) e Subtenente Gonzaga (MG) passaram a apoiar a redução da maioridade penal com o novo texto. O PSDB, que teve cinco dissidentes no primeiro texto, viu dois deles mudarem a favor da redução: João Paulo Papa e Mara Gabrilli, ambos de São Paulo.

Dois deputados do PROS, Jorge Silva (ES) e Rafael Motta (RN) passaram a apoiar a redução. Dois do PV, Sinval Malheiros (SP) e Evair de Melo (ES), também mudaram de posição, assim como dois do Solidariedade: Expedito Netto (RO) e JHC (AL). 

PUBLICIDADE

O PSDB, principal partido de oposição, tinha votado majoritariamente a favor da PEC, mas ainda assim teve cinco dissidentes. Deles, dois mudaram de posição e passaram a apoiar a redução: João Paulo Papa (SP) e Mara Gabrilli (SP).Há ainda dois do PROS, dois do PV, e dois do Solidariedade. DEM, PHS, PP, PPS, PSC e PTB tiveram um cada.

Além de Marcelo Castro, fizeram o caminho inverso Arnon Bezerra (PTB-CE) e Penna (PV-SP). Em sua conta no Facebook, Penna explicou que tinha votado a favor da PEC por engano, e que estava corrigindo o erro na segunda votação. DEM, PHS, PP, PPS, PSC e PTB também tiveram uma mudança cada.

Vale destacar a mudança de José Luiz Penna (PV-SP), que tinha votado a favor da redução da maioridade penal no primeiro texto, mas depois disse que se enganou ao votar a favor da redução. “Pois é, rapaz. Sinceramente, não sei o que aconteceu. Assumo que vacilei”. 

“Sobre a votação da maioridade penal ontem no Plenário da Câmara dos Deputados quero reforçar o meu posicionamento e o meu voto. Encaminhei voto NÃO pelo meu partido… E ao votar cometi um equívoco, votei sim favorável a matéria. Aproveito este momento para me desculpar com toda a sociedade brasileira e com todos os meu eleitores pelo equívoco cometido”, afirmou o deputado em sua página no Facebook.

Mudança de votos

Veja os deputados que, em menos de 24 horas, mudaram os seus votos de não ou abstenção para sim:

DEM
Mandetta (DEM-MS)

PDT
Abel Mesquita (PDT-RR)
Marcelo Matos (PDT-RJ) Abstenção para SIM
Subtenente Gonzaga (PDT-MG)

PHS
Kaio Maniçoba (PHS-PE)

PUBLICIDADE

PMDB
Celso Maldaner (PMDB-RJ)
Dulce Miranda (PMDB-TO)

PP
Waldir Maranhão (PP-MA)

PPS
Marcos Abrão (PPS-GO)
Dr. Jorge Silva (PPS-ES)

PSB
Heráclito Fortes (PSB-PI) Abstenção para SIM
Paulo Foletto (PSB-ES)
Tereza Cristina (PSB-MS)
Valadares Filho (PSB-SE)

PSC
Marcos Reategui (PSC-AP)

PSDB
João Paulo Papa (PSDB-SP)
Mara Gabrilli (PSDB-SP)

PTB
Eros Biondini (PTB-MG)

PV
Dr. Sinval Malheiros (PV-SP)
Evair de Melo (PV-ES)

PUBLICIDADE

Solidariedade
Expedito Netto (Solidariedade-RO)
JHC (Solidariedade-AL)

Deputados que votaram sim na primeira votação e se abstiveram na segunda:

PSD

  Francisco Chapadinha (PSD-PA)

PR

Francisco Floriano (PR-RJ)

SD

Genecias Noronha (SD-CE)

 Laercio Oliveira (SD-SE)

PR

João Carlos Bacelar (PR-BA)

Wellington Roberto (PR-PB)

PMDB

Mauro Lopes (PMDB-MG)

Deputados que faltaram à primeira votação e votaram sim na segunda:

PMDB

 Cabuçu Borges (PMDB-AP)

PP

Iracema Portella (PP-PI)

PSC

Takayama (PSC-PR)

Irmão Lazaro (PSC-BA)

PSDB

Rogério Marinho (PSDB-RN)

PMDB

Silas Brasileiro (PMDB- MG)