Eleições americanas

Órgãos eleitorais dos EUA dizem que 2020 teve a “votação mais segura da história”

A nota também diz que "não há evidência de que algum sistema de apuração tenha excluído, perdido ou mudado votos"

(Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

(ANSA) – Autoridades eleitorais dos Estados Unidos divulgaram na noite desta quinta-feira (12) um comunicado conjunto no qual negam a existência de fraudes nas eleições de 3 de novembro e afirmam que a votação foi a “mais segura na história” do país.

O documento reúne órgãos como a Associação Nacional dos Secretários de Estado (Nass), a Associação Nacional de Diretores Estaduais de Eleições (Nased), o Conselho de Coordenação do Setor de Infraestrutura Eleitoral (SCC) e a Agência de Cibersegurança e Segurança de Infraestrutura (Cisa).

Esta última é subordinada ao Departamento de Segurança Interna, o equivalente americano ao Ministério do Interior. “A eleição de 3 de novembro foi a mais segura na história da América. Neste exato momento, por todo o país, oficiais eleitorais estão revisando e checando duplamente todo o processo eleitoral antes de oficializar o resultado”, diz a nota.

Aprenda a investir na bolsa

Sem citar nomes, o documento afirma que, embora existam “muitas alegações infundadas e oportunidades de desinformação sobre o processo eleitoral”, as autoridades garantem ter “a maior confiança na segurança e na integridade das eleições”. “E vocês também deveriam ter”, acrescenta.

A nota também diz que “não há evidência de que algum sistema de apuração tenha excluído, perdido ou mudado votos”. O posicionamento das autoridades eleitorais chega em meio às inúmeras denúncias sem provas feitas pelo presidente e candidato derrotado Donald Trump, que apontou supostas fraudes no voto pelos correios, majoritariamente pró-Biden.

Alguns estados, como Geórgia e Wisconsin, terão recontagem das cédulas, mas devido à pequena margem que separa os dois competidores, e não a suspeitas de irregularidades.

Até o momento, Joe Biden contabiliza 290 dos 538 votos no colégio eleitoral, enquanto Trump tem 217. Apenas dois estados ainda não têm vencedor definido: Carolina do Norte (15 delegados), que deve ir para o magnata, e Geórgia (16), onde o democrata está perto de romper um domínio republicano de mais de duas décadas. (ANSA)

Treinamento gratuito do InfoMoney mostra como encontrar oportunidades de investimentos escondidas nos gráficos e fazer a primeira operação. Assista aqui!