Operação navalha derruba ministro Silas Rondeau, que reitera inocência

Acusado de receber propina de R$ 100 mil da Gautama, ministro das Minas e Energia deixou o cargo na última terça-feira

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, entregou na última terça-feira à noite ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o cargo de ministro, três dias após ser acusado de corrupção pela Polícia Federal (PF).

A Operação Navalha da PF investiga um esquema de desvio de recursos públicos em obras concedidas à construtora Gautama. Rondeau, contudo, nega a participação e o recebimento de cerca de R$ 100 mil da empreiteira.

Inocência

“Reafirmo minha completa e absoluta inocência em relação às denúncias levantadas contra a minha pessoa, na certeza de que tudo será esclarecido, provando a injustiça e a crueldade das mentiras e insinuações divulgadas a meu respeito que atingiram minha honra”, mostra a nota enviada pelo ministério.

Aprenda a investir na bolsa

Rondeau justificou a saída como uma forma de impedir que o setor energético, “fundamental para o desenvolvimento do país”, fosse prejudicado.

Nova disputa

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Nelson Hubner, irá assumir interinamente o cargo.

O senador José Sarney, visto como “padrinho” de Rondeau, já apresentou duas sugestões para ocupar o ministério, José Antonio Muniz, ex-presidente da Eletronorte e Astrogildo Quental, atual diretor econômico e financeiro da empresa.