Operação Lava Jato

Odebrecht delata compra de imóvel para nova sede do Instituto Lula, afirma jornal

A declaração foi feita por  Marcelo Odebrecht, Alexandrino Alencar e Paulo Melo, segundo o jornal Folha de S. Paulo

SÃO PAULO – O jornal Folha de S. Paulo desta quarta-feira traz mais informações sobre depoimentos de delação premiada, agora envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com a publicação, três delatores da Odebrecht confirmaram em depoimento na semana passada que a empresa comprou, em 2010, um imóvel em São Paulo que seria destinado à construção de uma nova sede do Instituto Lula.

 

 

PUBLICIDADE

 

A declaração foi feita por  Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo; Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais; e Paulo Melo, ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias.

A compra do imóvel, situado na Rua Dr. Haberbeck Brandão, nº 178, em São Paulo, é ponto central na denúncia em que o ex-presidente Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O petista virou réu na última segunda-feira no processo, após o juiz Sérgio Moro aceitar a denúncia do Ministério Público. 

De acordo com os procuradores, parte das propinas pagas pela Odebrecht em contratos da Petrobras foi destinada para a aquisição de um terreno onde seria construída a sede do Instituto. Os delatores disseram ainda que Lula e a ex-primeira-dama Marisa Letícia foram conhecer o terreno, mas não gostaram do local. Marcelo Odebrecht determinou então a Paulo Melo que procurasse outros imóveis. O projeto, contudo, não foi para frente.

À Folha de S. Paulo, o Instituto Lula afirmou via assessoria de imprensa que não comenta “supostas delações” e que “delações não são prova, quanto mais supostas delações”. “O terreno nunca foi do Instituto Lula e tampouco foi colocado à sua disposição. O imóvel pertence a empresa particular que lá constrói uma revenda de automóveis. Tem dono e uso conhecido. Ou seja, a Lava Jato acusa como se fosse vantagem particular de Lula um terreno que ele nunca recebeu, nem o instituto – que não é propriedade de Lula, nem pode ser tratado como tal, porque o Instituto Lula tem uma personalidade jurídica própria.”