Obama ressalta maior regulação e investimento público em discurso de posse

Inauguração da Presidência é marcada por comoção; novo presidente busca passar confiança aos norte-americanos

SÃO PAULO – A comoção pública que levou milhões às ruas de Washington nesta terça-feira (20), para prestigiar a posse do novo presidente dos EUA, se fez presente durante as tradicionais solenidades. Em seu discurso, Barack Obama ressaltou mais uma vez a necessidade de união e superação da crise, ao mesmo tempo em que criticou a excessiva liberdade dos mercados.

Passadas as apresentações musicais, uma oração e tradicionais juramentos dos novos presidente e vice, Barack Obama ergueu-se diante dos milhões de atentos espectadores em Washington para reforçar valores dos “pais fundadores” do país e passar uma mensagem de confiança no futuro.

Esperança e medo

Após agradecer ao seu antecessor por serviços prestados ao país e pelo apoio durante o período de transição dos gabinetes, Obama ressaltou a gravidade da crise, atribuindo a culpa da fragilidade econômica norte-americana à ação egoísta de alguns. Afirmou aos milhões presentes: “Neste dia, estamos aqui por escolhemos esperança em vez de medo”.

PUBLICIDADE

Após citar vários dos problemas apontados por indicadores econômicos, como o aumento do desemprego e a falência de empresas, Obama destacou como principal problema a perda de confiança dos norte-americanos na economia do país. “Estes são indicadores da crise, mas nada é mais profundo que a perda de confiança”, afirmou.

Confirmando as expectativas, Obama utilizou pouco seu discurso para falar sobre as medidas econômicas que pretende adotar para combater os atuais desafios econômicos. Ressaltando que os EUA continuam como a nação mais poderosa do mundo, com suas capacidades produtivas intactas, o novo presidente afirmou que não somente trabalhará para criar novos empregos, como buscará plantar as bases para o crescimento futuro.

Obama mais uma vez deu sinal de que a regulação sobre os mercados deverá aumentar durante seu mandato. Embora tenha ressaltado a grande capacidade que possuem para criar riqueza e eficiência, Obama criticou a destinação da prosperidade gerada majoritariamente para os que já são ricos.

Investimentos

O novo inquilino da Casa Branca mais uma vez ressaltou que os investimentos em infra-estrutura e educação que pretende realizar serão responsáveis pela prosperidade futura do país. Aos alarmados pela possibilidade de elevação dos gastos públicos, Obama afirmou que os desafios atuai forçarão as autoridades a agir com mais responsabilidade e prestação de contas, a fim de reconquistar a confiança.

O discurso de Barack Obama também ressaltou a busca por diálogo com os outros países e a disposição dos Estados Unidos em retomar o prestígio e a liderança internacionais. Além de afirmar sua intenção em realizar parcerias com os países mais pobres, Obama ressaltou que será preciso uma nova atitude por parte dos países desenvolvidos em relação ao meio ambiente.

Notícias relacionadas:

 

  • Cautela: economista diz que chegada de Obama ao poder traz protecionismo