Análise Técnica

O que os gráficos apontam para o Ibovespa após o rompimento dos 58 mil pontos?

Para analista, o primeiro alvo do índice é 59.500 pontos; mercado aponta que entrada de Marina Silva aumenta possibilidade de um segundo turno na eleição presidencial

SÃO PAULO – De olho no cenário eleitoral, o Ibovespa rompeu no fechamento da última terça-feira (19) a importante região dos 58.150 pontos – maior patamar desde março de 2013. “O ponto que libera compra e mostra toda a força compradora dominante no momento”, disse o analista Wagner Caetano, diretor da Top Traders e do Terminal Cartezyan.

Para ele, a expectativa agora é que o índice continue essa tendência de alta, tendo como primeiro alvo os 59.500 pontos. Na terça-feira, o índice registrou alta de 1,54%, fechando a 58.449 pontos. 

Segundo ele, o cenário eleitoral ganhou um novo rumo com o falecimento do candidato do PSB Eduardo Campos, o que vem impulsionando a Bolsa. O que o mercado estima é que com a entrada de Marina Silva a possibilidade de um segundo turno aumente, afastando cada vez mais a reeleição da presidente Dilma Rousseff. A expectativa é que o PSB escolha hoje Marina para substituir Campos e Beto Albuquerque como vice da chapa.

PUBLICIDADE

“Seja a Marina ou Aécio Neves (PSDB) o vitorioso, o mercado aprecia a filosofia econômica de ambos e precifica essa possibilidade com compras”, comentou. Mesma visão foi apontada pelo sócio-gestor da Humaitá Investimentos, Frederico Mesnik, em entrevista ao InfoMoney, na última segunda-feira. “Tanto faz se será Aécio Neves ou Marina Silva; para o mercado, o importante é a Dilma Rousseff não ganhar”, comentou. 

Para onde o Ibovespa vai?
Toda essa força compradora da Bolsa deve levar o Ibovespa para o patamar de 59.500 pontos, disse Caetano. O fechamento firme com sustenção acima da região dos 58.150 pontos confirma essa projeção.

“O ponto que mostra reversão técnica para venda no momento mudou, mas a única certeza no momento é volatilidade”, comentou. O investidor deve ficar atento também nas ações da Petrobras (PETR3; PETR4) e bancos, maiores responsáveis pela alta surpreendente nos últimos três pregões. 

Caetano lembra, no entanto, que caso o Ibovespa recue após tocar a resistência de 58.150 pontos pode anular essa projeção de alta do índice. “Neste cenário, poderemos estar diante de um topo duplo, padrão de forte queda”, disse. Nesse caso, o índice deveria buscar, primeiramente, o patamar de 57.100 pontos e, em seguida, 56.750 pontos.

O analista recomenda aos investidores acompanhar as cotações do dólar, a posição dos estrangeiros no índice futuro e o fluxo cambial, que é divulgado toda quarta-feira às 12h30 (horário de Brasília). Segundo ele, uma alta do dólar pode significar saída de fluxo do País, e isto preocuparia, uma vez que os estrangeiros respondem atualmente por 50% dos negócios no Brasil. 

Confira o gráfico do Ibovespa traçado por Wagner Caetano: