Contra "ameaça Meirelles"

O que Geraldo Alckmin pretende fazer para ser o candidato preferido do mercado

Governador de São Paulo promete intensificar suas reuniões com empresários e investidores em uma tentativa de neutralizar Henrique Meirelles, informa a Folha

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) é visto como um dos nomes para 2018 mais pró-mercado para a eleição de 2018 e é uma das “apostas” para a eleição do ano que vem, conforme apontou a última pesquisa da XP Investimentos com investidores institucionais divulgada no final de novembro.

Para 46% dos 211 respondentes consultados pela XP, o vencedor da eleição será o tucano. Na simulação, caso ele fosse mesmo o vencedor das eleições em 2018, os investidores apontam um desfecho positivo para bolsa, com 82% indicando que o Ibovespa subiria do patamar atual, enquanto 38% indicaram que o dólar iria para um patamar abaixo de R$ 3,00.

Contudo, a disputa por um “candidato do mercado” pode ficar mais acirrada, principalmente com a expectativa de que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, possa entrar no páreo. Meirelles seria, então, o grande “queridinho” do mercado. 

Aprenda a investir na bolsa

Desta forma, informa a Folha de S. Paulo, o tucano lançará uma ofensiva também entre os agentes de mercado. Ele aumentará os encontros com empresários e investidores e adotará em seu discurso um tom mais voltado à economia, com a defesa de medidas de equilíbrio fiscal e de recuperação da atividade econômica.

O primeiro passo da estratégia se dará nesse fim de semana: ao assumir o cargo de presidente do PSDB neste sábado, Alckmin trabalhará pelo convencimento da bancada do partido pela reforma da previdência, considerada um trunfo eleitoral para uma candidatura de Meirelles. Se proposta não for votada, Alckmin teme ser cobrado durante a campanha, sobretudo pelo mercado financeiro, por um desempenho ruim de seu partido na votação da iniciativa.

Ele tem apontado a aliados e auxiliares que a proposta, caso não seja aprovada, pautará a disputa de 2018. Isso poderá ser positivo para Meirelles e deverá lhe trazer problemas caso seja eleito.