Questão de tempo

O que fez a relação entre Marta Suplicy e Dilma Rousseff azedar de vez

Marta, que apoiou o "Volta Lula", não teria se empenhado por Dilma, tendo como ápice um evento com artistas e intelectuais em que o ex-ministro Juca Ferreira recebeu mais aplausos que ela

SÃO PAULO – O pedido de demissão de Marta Suplicy do Ministério da Cultura, com algumas críticas ao governo de Dilma Rousseff, evidenciou a relação de atrito entre a ministra e senadora licenciada e a presidente reeleita. Marta era uma das adeptas do “Volta Lula”, movimento para que o ex-presidente Lula fosse candidato a presidente no lugar de Dilma nas eleições deste ano e já era esperado que Marta renunciasse ao cargo. 

Mas o que teria levado a um “azedamento” total da relação das duas? Segundo dois ministros petistas ouvidos pela coluna Radar, da Veja e pelo G1, o ápice se deu em 15 de setembro, em plena campanha eleitoral. Em um encontro de artistas e intelectuais que apoiavam a presidente, no Teatro Casagrande (Rio de Janeiro), Marta e Dilma compareceram, assim como Juca Ferreira, ex-ministro.

Juca teria sido muito aplaudido, com o nome gritado pela plateia, enquanto Marta recebeu poucas palmas quando foi citada em discursos. “Desde então Marta fechou a cara e, sabe-se lá porque, atribuiu a Dilma a desfeita”, afirma a coluna Radar. Além disso, Dilma tinha desavenças com a ministra dado o movimento “Volta Lula”. 

PUBLICIDADE

O gesto de Marta, que escreveu a carta de demissão com “sugestões” sobre a política econômica, gerou desconforto no governo. Na carta de demissão, ela disse à presidente Dilma: “todos nós, brasileiros, desejamos, neste momento, que a senhora seja iluminada ao escolher sua nova equipe de trabalho, a começar por uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao seu governo e que, acima de tudo, esteja comprometida com uma nova agenda de estabilidade e crescimento para o nosso país”.