Entrevista

“O PSDB tem que ser coerente com o que sempre defendeu”, diz Armínio Fraga ao Valor

Ex-presidente do Banco Central ainda afirmou que não faz mais parte de seus planos ser ministro da Fazenda: "hoje, sinceramente, não teria vontade de embarcar em nenhum projeto desses"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o ex-presidente do Banco Central e sócio da Gávea Investimentos Armínio Fraga, mostra preocupação com relação ao Brasil. O diagnóstico do número 1 da equipe econômica do senador Aécio Neves (PSDB-MG) na campanha presidencial do ano passado é de preocupação e esperança. 

Para ele, o Brasil não se recupera tão cedo da recessão e corre o risco de desembocar numa trajetória de desenvolvimento medíocre. Já a crise política pode sinalizar espaço para a mudança. 

Além disso, Armínio critica o apoio dos tucanos a projetos que ameaçam as contas públicas, caso do fim do fator previdenciário – criado pelo próprio governo tucano de Fernando Henrique Cardoso. “O PSDB tem que ter um papel coerente com o que defendeu a vida inteira”. E continuou: “o PSDB não precisa votar contra o que foi a sua postura histórica. E, pior ainda, contra o que será um dia – se ele assumir – a sua ação. Espero que seja”. 

Aprenda a investir na bolsa

Armínio foi alvo da campanha negativa do PT na eleição à Presidência, mas evita beligerância. Ele evitou a palavra “impeachment” e desenha cenário distante e regulamentar. A chance de acontecer a alternância é “lá na frente”, daqui a três anos e meio, quando termina o mandato de Dilma. 

Armínio ainda afirmou que não faz mais parte de seus planos ser ministro da Fazenda. “Hoje, sinceramente, não teria vontade de embarcar em nenhum projeto desses”. Aliás, ele compara que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, compara a uma espécie de “para-choque sem borracha”, pela falta de proteção política.