Eleições

“O Brasil não é para amadores”, diz Aécio Neves sobre Marina Silva

Em entrevista ao Estadão, o candidato ainda disse que o "atual governo fracassou" e ainda explicou sobre o aeroporto em Cláudio, defendendo a construção

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O candidato do PSDB à presidência, Aécio Neves, participa nesta quarta-feira (27) à série de entrevistas que o jornal O Estado de S. Paulo está realizando. Logo no início, Aécio aproveitou para falar sobre seu programa e atacou o atual governo. “Partimos de uma constatação, que todo os brasileiros também têm, de que o modelo que o Brasil usa hoje não deu certo”, afirmou.

“O governo fracassou. Ele fracassou em sua maior bandeira, a mudança social”, disse o candidato ao afirmar que as políticas adotadas não deram resultado, citando a alta criminalidade que afeta todo o País.

Sobre o cenário eleitoral apresentado pelo Ibope e pela CNT/MDA, que coloca Marina Silva à frente, vencendo Dilma no segundo turno, Aécio disse que ainda não temos o cenário real das eleições. Segundo ele, Marina ainda não teve espaço para apresentar todo seu programa, e que só após isso que os eleitores poderão escolher corretamente seu candidato.

PUBLICIDADE

No caso de Marina Silva, Aécio ainda atacou indiretamente a candidata do PSB dizendo que “o Brasil não é para amadores”, ressaltando que ele seria o candidato mais preparado por sua larga experiência na política. “A complexidade dos problemas que nós temos pela frente demanda experiência e quadros”, completou.

“Temos o mesmo projeto e ele é melhor para o Brasil. O País pagou muito caro pela inexperiência daqueles que estão no poder. Somos a mudança segura e responsável, com os melhores quadros”, disse Aécio. Ele voltou a criticar o atual governo e ainda indicou que as pessoas não querem correr riscos, em referência à uma possível vitória de Marina. “Respeito a Marina, mas acredito que estamos muito mais preparados”, disse.

Sobre o Bolsa Família, Aécio reconheceu as vantagens do programa, mas afirmou que ele é um aprimoramento de programas que eram do governo FHC. “O PT quer se apropriar de programas que ele apenas aprimorou. Isso eu reconheço, mas não foi o PT que criou esses programas”, afirmou, dizendo que irá manter as políticas do Bolsa Família, mas que irá melhorar as políticas utilizadas. “O cadastro do Bolsa Família é uma caixa preta, queremos dar transparência para ele”, completou.

Questionado sobre um possível corte de ministérios, Aécio não quis falar quais seriam as mudanças. “Não acho que seja razoável, que no regime presidencialista, alguém possa administrar com o mínimo de eficiência com 39 ministérios”, completou o candidato questionando o atual governo. “O Brasil quer um Estado eficiente, que gaste menos com sua estrutura para gastar mais com as pessoas. Metade dos ministérios que está aí é suficiente para atender as demandas”, disse Aécio.

Sobre a polêmica do aeroporto construído na cidade de Cláudio, em Minas Gerais, Aécio defendeu a construção. “Minas foi um estado planejado. Eu liguei 224 de responsabilidade do Estado. Fiz uma grande PPP e ligamos estas cidades à telefonia celular. Muito provavelmente tem familiares meus morando nestas cidades. Nos temos em MG 92 aeroportos. Este aeroporto atende uma comunidade que tem mais de 150 pequenas e médias indústrias que exportam para outras aéreas do Brasil. Minhas obras foram aprovadas pelo MP de Minas Gerais, não foram questionadas pelo TCU. Fico honrado em ser questionado por uma obra que beneficiou meu estado”, explicou.