Ansiedade eleitoral

Nomura: mercado pode estar precipitado no Dilma “já ganhou”, assim como fez com Marina

Para Tony Volpon, vários resultados são possíveis: "a disputa eleitoral está muito acirrada para se prever vencedor"

SÃO PAULO – A bateria de pesquisas eleitorais, com destaque para o último Datafolha, de sexta-feira, deu sinalizações bem importantes sobre a corrida presidencial às vésperas do primeiro turno. Com a Dilma Rousseff (PT) em tendência de alta, o Ibovespa caiu 4,52%, os juros futuros subiram, assim como o dólar, também em decorrência do mau humor do cenário internacional. 

De acordo com o diretor de mercados emergentes da corretora japonesa Nomura, Tony Volpon, o Datafolha de sexta acabou sendo um divisor de águas para os mercados, que parecem ter abandonado a expectativa de que esta eleição representaria o fim do ciclo do PT no governo brasileiro. 

“A reação do mercado, em nossa opinião, não é atribuível tanto à diferença entre os dois principais candidatos, mas a tendência dos dados eleitorais. Projetando esta tendência para a frente, poderia se imaginar uma reeleição de Dilma já no primeiro turno”, afirma. 

Porém, para Volpon, vários resultados são possíveis e a corrida continua muito acirrada, com Marina podendo compensar o terreno perdido em um segundo turno. “A disputa eleitoral está muito acirrada para se prever vencedor”. 

E, para ele, ” o mercado pode estar precipitando sua conclusão de que Dilma ‘já ganhou’, da mesma forma que atribuiu quase toda certeza a uma vitória de Marina, há algumas semanas”.

Porém, com Dilma ganhando forças, Volpon destacou o que pode mudar em 2015. Para ele, se vencer, Dilma deve fazer pequenos ajustes no governo e não deverá fazer ajustes na política econômica.