Análise

Nome mais votado para PGR é o preferido de Janot, mas não deve ser o escolhido de Temer

Tem sido praxe na política a escolha do primeiro colocado da lista sugerida pelos procuradores, mas não há nenhuma determinação formal para que tal procedimento seja necessariamente seguido

SÃO PAULO – Em votação realizada na última terça-feira (28), os membros do Ministério Público escolheram os subprocuradores-gerais da República Nicolao Dino (621 votos), Raquel Dodge (587 votos) e Mario Bonsaglia (564 votos) para compor a lista tríplice da instituição, encaminhada ao presidente Michel Temer para a escolha do sucessor de Rodrigo Janot, cujo mandato se encerra em setembro deste ano.

Tem sido praxe na política a escolha do primeiro colocado da lista sugerida pelos procuradores, mas não há nenhuma determinação formal para que tal procedimento seja necessariamente seguido. Em meio aos recentes enfrentamentos entre Janot e Temer, não está descartada a possibilidade de o costume não ser seguido pelo peemedebista. Nos bastidores, especula-se que a segunda candidata mais votada, Raquel Dodge, seja a escolhida, o que a tornaria a primeira mulher a comandar o cargo — argumento que pode entrar no discurso de Temer.

Isso porque o líder da lista, Nicolao Dino, é conhecido como aliado preferido do atual procurador-geral e pode não ser o nome mais interessante para o presidente, denunciado nesta semana junto ao Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva e que deverá ser alvo de outras duas ações penais encaminhadas por Janot. As acusações foram duramente criticadas pelo peemedebista que as classificou como “peça de ficção” baseada em “ilações”.

PUBLICIDADE

Não é só ao presidente que o nome de Dino pode não agradar. O subprocurador também não tem boas relações com o ministro Gilmar Mendes, do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, considerado um dos importantes aliados do governo atualmente, sobretudo após ter papel decisivo na imposição da derrota do pedido de cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, defendido pelo ministro relator do caso, Herman Benjamin.

Discurso inflamado

Em pronunciamento à imprensa realizado ontem, Temer criticou ainda os termos do acordo de delação firmados pela PGR com executivos da JBS, incluindo o executivo Joesley Batista, autor de gravação de conversa com o presidente em março, no Palácio do Jaburu.

No discurso de Temer também sobraram ataques ao ex-procurador Marcelo Miller, citado nominalmente pelo presidente como figura de alta confiança de Janot, que deixou o cargo para trabalhar em empresa especializada em acordos de delação premiada.

“Vocês sabem que quem deixa a Procuradoria tem uma quarentena de dois ou três meses. Não houve quarentena nenhuma. O cidadão saiu e já foi trabalhar para essa empresa e ganhou, na verdade, milhões em poucos meses, o que talvez levaria décadas para poupar”, afirmou. Na avaliação do peemedebista, o acordo firmado foi benevolente e que, em toda a história da operação em curso, ninguém foi capaz de conquistar tamanha impunidade.

Em um exemplo de sua tese sobre ilações, o presidente propôs um exercício de suposição de que os recursos oriundos do contrato de delação fechada pela empresa de Miller pagos pela JBS não tivessem o ex-procurador como único beneficiário — insinuando a repartição dos benefícios com Rodrigo Janot. Mas fez uma ressalva: “não quero fazer ilações, não denuncio sem provas”.

A estratégia de Temer

Além da rejeição do candidato favorito de Janot, as expectativas são de que Michel Temer anuncie sua decisão antes mesmo do fim do mandato do atual procurador-geral, o que poderia provocar um esvaziamento de Janot em um momento em que o presidente se vê denunciado e em “guerra política”, em situação delicada para seu governo.