AO VIVO Analista Charlles Nader explica estratégia para ter consistência na Bolsa

Analista Charlles Nader explica estratégia para ter consistência na Bolsa

No Japão, nem metade do eleitorado votou para presidente do Brasil

Número de pessoas que não conseguiram se cadastrar foi bem maior que o daqueles que participaram no domingo (1)

SÃO PAULO – No Japão, o número de brasileiros que não conseguiram transferir o título de eleitor ou se alistar pela primeira vez foi bem maior que o daqueles que participaram da votação para presidente do Brasil no último domingo (1).

Segundo a Agência Brasil, foram mais de mil os dekasseguis que não conseguiram votar por erro na documentação disponibilizada pelos sites dos dois consulados do País, que ficam em Tóquio e Nagoya.

Dia e locais dificultaram

Assim, o eleitorado ficou em 558 pessoas, das quais apenas 226, menos da metade, participaram do pleito, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Um dos motivos para o baixo comparecimento da comunidade às urnas, segundo a Associação Brasileira de Dekasseguis (ABD), foi o fato de haver apenas dois colégios eleitorais (nos consulados mencionados). Como domingo é o único dia de descanso dos brasileiros, que trabalham de segunda-feira a sábado, muitos preferiram descansar, a viajar até a urna mais próxima.

Alckmin foi o mais votado

O candidato mais votado entre os brasileiros no Japão foi Geraldo Alckmin, do PSDB, que ficou com 60,19% dos votos (130), seguido por Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, com 22,22 % (48 votos). Cristovam Buarque, do PDT, e Heloísa Helena, do PSOL, ficaram praticamente empatados, com 7,87% e 7,41% (17 e 16 votos), respectivamente.

No total, foram 216 votos válidos, 9 em branco e 1 nulo.