Explicações

“Não vi nada de mais ali nas mensagens”, diz Moro sobre conversas com Dallagnol

"Não tem nenhuma orientação ali naquelas mensagens. Nem posso dizer que são autênticas porque, veja, são coisas que aconteceram, se aconteceram, há anos atrás"

SÃO PAULO – Após nota publicada na noite de ontem, o ministro da Justiça Sergio Moro afirmou nesta segunda-feira (10) que não viu “nada de mais” nas mensagens vazadas de suas conversas com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba.

“Na verdade já me manifestei ontem, não vi nada de mais ali nas mensagens. O que há ali é uma invasão criminosa de celulares de procuradores. Pra mim, esse é um fato bastante grave, ter havido essa invasão e divulgação, e, quanto ao conteúdo, no que diz respeito à minha pessoa, não vi nada de mais”, disse em evento em Manaus.

“Não tem nenhuma orientação ali naquelas mensagens. Nem posso dizer que são autênticas porque, veja, são coisas que aconteceram, se aconteceram, há anos atrás. Eu não tenho mais essas mensagens, eu não guardo essas, não tenho registro disso. Agora, ali não tem orientação nenhuma”, continuou o ministro.

PUBLICIDADE

As conversas entre Moro e procuradores, foram divulgadas pelo site The Intercept Brasil na noite de domingo, com a citação de diversos assuntos ligados à Lava-Jato. De acordo com o site, o agora ministro orientou ações da força-tarefa e cobrou operações.

Moro disse ser normal a conversa ente as partes envolvidas nos processos. “Veja, os juízes conversam com procuradores, juízes conversam com advogados, juízes conversam com policiais, isso é algo normal”. Além disso, ele negou ter influenciado o resultado da operação Lava-Jato.

O ministro foi questionado ainda se fez sugestões de troca de fases da Lava-Jato. “Olha, se houve alguma coisa nesse sentido, são operações que já haviam sido autorizadas. É uma questão de logística de ser discutido com a polícia de como fazer ou não fazer. Isto é absolutamente normal”, explicou.

“Está havendo muito sensacionalismo em cima dessas supostas mensagens”, concluiu o ministro.

Insira seu email abaixo e receba com exclusividade o Barômetro do Poder, um estudo mensal do InfoMoney com avaliações e projeções das principais casas de análise política do país: