Política

Não quero afundar Cunha, ele vai pagar o preço se for culpado, diz Lula

"O Eduardo Cunha tem que ter o direito de defesa que eu quero pra mim, pra Dilma, pra todo mundo. E se ele for culpado, ele vai pagar como todo mundo", disse o ex-presidente

SÃO PAULO – O ex-presidente Lula negou nesta sexta-feira (23) que esteja buscando um acordo com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como tem sido divulgado pela imprensa. Segundo rumores, o governo tentaria uma ponte com Cunha, evitando que ele fosse cassado após denúncias de corrupção, em troca de não deixar passar processos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

“Não tem acordo, porque eu não tenho nem mandato para fazer acordo. O que eu tenho é liberdade para conversar com todo mundo”, afirmou o ex-presidente em entrevista para a Rádio Metrópole, de Salvador. “Alguém pergunta assim para mim: ‘Presidente, está pronto o acordo?’ Mas que acordo? Eu estou cansado de ilações, não faço política por ilações”, disse Lula.

O petista também defendeu o direito de Cunha de se defender, mas que se ele for culpado, irá pagar. “O Eduardo Cunha tem que ter o direito de defesa que eu quero pra mim, pra Dilma, pra todo mundo. Ele tem que ter apenas o direito de se defender. E se ele for culpado, ele vai pagar como todo mundo tem que pagar nesse País”, disse.

PUBLICIDADE

“Enquanto ele for presidente da Câmara, ele vai determinar a pauta do Congresso Nacional e nós temos interesse em aprovar não só parte do ajuste, aprovar a CPMF, o orçamento, mas aprovar outras medidas que estão lá que são importantes”, disse. “Ao invés de ficar querendo afundar ele, eu quero é que ele coloque em votação as coisas e deixe o processo seguir naturalmente. E quando for julgado, ele vai pagar o preço. É apenas isso que eu quero”, completou.