Violência contra a mulher

“Não nos apropriamos da Lei Maria da Penha”, retruca Dilma

A presidente respondeu Aécio, que insinuou que os petistas se apoderavam de uma lei que foi conduzida por uma geração de parlamentares e por uma discussão profunda.

SÃO PAULO – A presidente de Dilma Rousseff, do PT, questionou Aécio Neves, candidato à presidência pelo PSDB, sobre violência contra a mulher. Em tom provocativo, reforçado pelos rumores de que o tucano já esteve envolvido em brigas físicas com namoradas, Dilma destacou a importância da Lei Maria da Penha, que foi aprovada na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aprovada novamente em sua gestão.

Em sua resposta, o tucano disse que ninguém pode se apropriar de uma lei que foi conduzida por uma geração de parlamentares e por uma discussão profunda.

“Esse avanço tem que ser mantido e melhorado. É preciso melhorar a estrutura para dar assistência às mulheres que sofrem violência doméstica. Temos que avançar no apoio aos municípios, que não têm força para atender este tipo de violência. As políticas públicas, como esta, não precisam ser conduzidas em um carro preto com chapa verde e amarela”, explicou o tucano, que aproveitou para falar sobre a fraca contribuição do governo federal para os problemas de segurança pública.

PUBLICIDADE

Na réplica, a petista disse que não se apropriou do estabelecimento da lei e afirmou que o PT incentivou a sua aprovação junto à sociedade. “Não nos apropriamos da Lei Maria da Penha, participamos junto com a sociedade para sua aprovação. Estamos construindo, em todos os Estados, a Casa da Mulher, que vai proteger a mulher que sofre violência. No Bolsa Família, no Minha Casa, Minha Vida as mulheres são beneficiadas”.

O candidato peessedebista, por sua vez, afirmou que ”as boas administrações avançam nas experiências que deram certo, mas estamos muito distantes de fazer com que a proteção à mulher chegue aos locais mais distantes”.