Sobre Petrobras

Não há responsabilização de Dilma por perdas em Pasadena, diz ministro

Ele ainda afirmou que a estatal "não tem risco de quebrar" e que não haverá instabilidade política com a Operação Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção na estatal

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO –  Em entrevista a repórteres em Brasília, o ministro das Relações Institucionais Pepe Vargas respondeu às notícias de que a presidente Dilma Rousseff teria que ser responsabilizada pelas perdas na refinaria de Pasadena, tese defendida pelo ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, segundo reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo”.

De acordo com Vargas, “não há responsabilização de Dilma em Petrobras sobre Pasadena”. Ele ainda afirmou que a estatal “não tem risco de quebrar” e que não haverá instabilidade política com a Operação Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção na estatal. 

O ministro ainda comentou sobre o “apagão” que atingiu onze estados e o Distrito Federal ontem, afirmando que a presidente Dilma cobrou explicações e medidas. “Obviamente que a presidente quer que todos os setores evitem o máximo possível fachas técnicas”, afirmou Vargas.

PUBLICIDADE

“É importante que não tenhamos apagão por falta de geração ou distribuição, como no passado”, afirmou. Ele afirmou que não há risco de apagão por falta de geração, mas temos riscos de abastecimento hídrico em certas regiões. 

Além disso, ele falou sobre as últimas medidas anunciadas pelo ministro da fazenda Joaquim Levy, destacando que os contingenciamentos alcançam custeio e mantêm investimentos, sendo que os gastos sempre podem ser reduzidos no governo. 

Ao falar dos bancos federais, o ministro afirmou que “ainda não discutiu esse assunto com a
presidente Dilma” e que “tudo leva a crer que não teremos mudanças imediatas nos
bancos federais” como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES. 

Sobre política, ele ressaltou que o financiamento de campanha será o tema central da reforma política e, especificamente sobre o PT, Vargas afirmou que o partido ainda não está discutindo o nome do candidato presidencial para 2018.