Ex-presidente do BC

Não fazer nada hoje é o mesmo que empurrar Brasil ladeira abaixo, diz Armínio Fraga

Para o economista, o Brasil não está bem de saúde e não pode tratar de sua doença com "aspirina e suco de laranja"

Aprenda a investir na bolsa

O quadro fiscal se transformou em profunda crise econômica e se misturou com crises de corrupção, de valores e política, na opinião do ex-presidente do Banco Central e assessor econômico do então candidato à presidente Aécio Neves, Arminio Fraga. Ele apresentou pontos negativos da economia doméstica e também do ambiente externo, mas disse que os problemas principais são internos.

Sobre a dimensão internacional, que, segundo ele, não tem sido favorável nos últimos cinco anos, Fraga citou a queda dos preços das commodities, a atuação recente do Federal Reserve e, mais recentemente, a situação da China. “Uma das consequências importantíssimas é o estrago que se fez ao Estado Brasileiro.”

O agravamento da situação econômica do País, de acordo com Fraga, no entanto, não chegou a ser uma surpresa. Segundo ele, a carga tributária já está acima de 30% do PIB, o Estado é refém de interessados partidários e tem se mostrado incapaz de lidar com a ainda desigual distribuição da renda do País. “O Estado está doente e com suspeita de uma doença maior. Esse Estado tem se mostrado ineficaz em entregar os serviços que as pessoas desejam, apesar de quanto se gasta. É um estado que está semiquebrado”, disse, durante seminário “Caminhos para o Brasil”, organizado por Instituto Teotônio Vilela e PSDB, no Senado.

Aprenda a investir na bolsa

Ressaca
Segundo Fraga, em 2014, ano de eleição, o governo exagerou. “O governo chutou o pau da barraca no ano passado. É complicado, como sabemos, ano de eleições… Temos uma ressaca agora. Eu entendo, mas não deveria haver uma ressaca. Do jeito que o País está, não cresce”, previu.

Para o economista, o Brasil não está bem de saúde e não pode tratar de sua doença com “aspirina e suco de laranja”. “Não dá para esperar. Não fazer nada, hoje, é o mesmo que empurrar o País ladeira abaixo”, ilustrou.

O Brasil precisa, de acordo com Fraga, fazer, do lado macro, ajuste que atenda tanto a tensões de curto prazo, em que as contas não estão fechando, quanto que resolvam questões de caráter mais longo. “As dificuldades de se fazer ajuste no Brasil são notórias”, resumiu.

O economista disse entender a situação difícil de corte ainda mais em um País que está em recessão. “Mas o ajuste precisa acontecer, de forma gradual ao longo de alguns anos e melhor do que esse que está proposto e que nem será cumprido pelo governo. Deveria caminhar para algo de 3% do PIB ou coisa assim”, disse, acrescentando que também há tempo para se fazer mudanças na Previdência.

Uma das sugestões de Fraga é acabar com 100% das vinculações. “A coisa mais radical: chegou a hora de uma enorme revisão de realmente acabar com todas as vinculações, com 100% delas, isso é um trabalho que tem que ser feito aqui (Congresso). O Congresso tem que ser o juiz disso. O que não dá é para tapar o sol com a peneira e só crescer (os gastos)”, argumentou. Ele disse não ser defensor do Estado mínimo nem máximo, citando exemplos de sucesso nos dois casos, como Estados Unidos e países da Escandinávia.

Abismo
O ex-presidente do Banco Central afirmou que, se o País não arrumar a casa agora vai mergulhar em um abismo de todo regime populista que existe no planeta.

PUBLICIDADE

Mais cedo, Fraga citou suas opiniões sobre ajustes macroeconômicos. Do lado da microeconomia, ele mencionou a necessidade de se realizar uma reforma tributária profunda e a unificação do ICMS com, também, padronização das regras. “Temos problemas sérios também sobre crédito”, disse. Em resumo, de acordo com ele, é preciso, na prática, desmontar a nova matriz econômica – política que orientou o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.

Se o ajuste não for feito, segundo o economista, o sacrifício será o dobro e não servirá para nada. “O dano já foi feito, a bobagem já foi feita e estamos pagando o preço agora. O que é preciso é arrumar a casa para crescer e distribuir”, comentou.