De saída

“Não faz sentido mandar proposta de autonomia para o BC”, diz Mantega

Em coletiva concedida nesta segunda-feira (27), o ministro da Fazenda também destacou que "hoje não é dia para anunciar novas medidas"

SÃO PAULO – Durante a manhã desta segunda-feira (27) pós-eleições foi anunciado que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, faria uma coletiva em Brasília, o que gerou alguns rumores de que novas medidas seriam anunciadas já neste primeiro dia após a reeleição de Dilma Rousseff (PT). Porém não foi isso que aconteceu, e logo o ministro tratou de destacar que “hoje não é dia para anunciar novas medidas”.

Mantega destacou o resultado das eleições e disse que com o fim do período eleitoral a racionalidade voltará ao mercado e que o resultado das urnas mostra que a população aprova a atual política econômica do governo. “Eleições acabam afetando também a Bolsa […] e agora a volatilidade tende a acalmar”, afirmou durante a entrevista.

Mais uma vez ele se mostrou otimista com o cenário brasileiro e destacou que não é apenas no Brasil que a Bolsa está caindo, mas no mundo todo. Para ele, neste momento temos a volta do otimismo com a economia brasileira, com destaque para o investidor estrangeiro, que, segundo ele, está otimsta com o País no médio e longo prazo.

PUBLICIDADE

Para Mantega, a economia vai continuar se recuperando no terceio e quarto trimestres, enquanto a prioridade para os próximos quatro anos é manter o controle da inflação com estabilidade de empregos. “A prioridade é fortalecer as empresas brasileiras e o mercado de capitais”, destacou o ministro.

Por fim, o ministro, que não permanecerá no cargo a partir de 2015, afirmou que não cabe a ele falar de nomes para assumir seu cargo, além de que “não faz sentido mandar uma proposta de autonomia para o Banco Central”, fato que foi um dos grandes temas discutidos entre a campanha de Dilma e de Aécio nos últimos meses.