Economia

“Não falo em hipóteses”, diz Meirelles sobre se aceitaria Fazenda

A fala do ex-presidente do BC, defendido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar a vaga de ministro da Fazenda, foi assistida pelo atual chefe da Pasta, Joaquim Levy

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles disse nesta quarta-feira, 11, que é preciso reconhecer a gravidade do atual cenário econômico brasileiro, mas ressaltou que o País está muito mais forte do que nas últimas décadas. 

Durante evento da CNI, em Brasília, Meirelles foi questionado por um empresário se ele aceitaria convite para assumir o Ministério da Fazenda. O ex-BC disse que não fala em hipóteses. “Eu não trabalho, não penso e nem falo sobre hipóteses, eu trabalho com coisas concretas e objetivas”, disse.

A fala do ex-presidente do BC, defendido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar a vaga de ministro da Fazenda, foi assistida pelo atual chefe da Pasta, Joaquim Levy, que estava na primeira fila da plateia.

PUBLICIDADE

“São números que apontam para um cenário recessivo que não há dúvida que temos de reconhecer a gravidade”, avaliou Meirelles, sobre o momento econômico. De acordo com ele, a situação atual deve ser enfrentada de forma vigorosa e com ajuste fiscal, mas é preciso visão de longo prazo.

Meirelles ressaltou que o Brasil tem que enfrentar com corte em despesa pública e que, objetivamente, é preciso definir o que pode ser feito no Brasil. Segundo ele, com ajuste bem sucedido, o Brasil pode crescer entre 2,5% a 3%, mas com reforma bem feita, o País pode avançar 4% ao ano. 

O ex-presidente do BC ressaltou que a desvalorização cambial, apesar de problemas causados, como para empresas endividadas, tem um lado positivo para a produção e exportação do País. “É evidente que o câmbio não resolve o problema de longo prazo, mas é importante que ele dê um fôlego, uma base para as empresas”, afirmou.

Levy: governo tem feito mudanças importantes
Mais cedo falou durante o evento o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Segundo ele, o governo tem feito mudanças importantes e a presidente Dilma Rousseff está pagando o preço político de ter que reorientar a economia. 

“É preciso coragem de acabar com programas não indispensáveis”, disse o ministro, acrescentando que o País tem que criar condições para financiamento da economia e que o câmbio no lugar certo ajuda.

(Com Agência Estado)