Pequenos notáveis

Nanicos? Confira quem são os 8 candidatos que prometem surpreender na corrida presidencial

Na dianteira entre aqueles que estão com menos de 5% das intenções de voto para presidente, estão Pastor Everaldo, Luciana Genro e Eduardo Jorge

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A disputa pela corrida presidencial está esquentando e a temperatura deve aumentar ainda mais após o início do programa eleitoral na televisão, dia 19 de agosto.

Apesar da atual presidente Dilma Rousseff (PT) ter o maior tempo de TV, Aécio Neves (PSDB) o segundo, sendo seguido por Eduardo Campos (PSB), este será o momento em que muitos outros candidatos à presidência irão utilizar para defender os seus programas e se tornarem mais conhecidos.

Este tempo, apesar de curto, será utilizado pelos candidatos “nanicos”, que têm uma coligação pequena, mas que podem ganhar espaço. Vale destacar que, dentre eles, vêm ganhando espaço  o Pastor Everaldo (PSC), que tem 3% das intenções de voto, Luciana Genro (PSOL), que tem 1%, assim como Eduardo Jorge (PV), conforme a última pesquisa Ibope. Confira os perfis dos oito candidatos à presidência da República com menos de 5% das intenções de voto, realizado pela Agência Brasil:

PUBLICIDADE

Eduardo Jorge (PV)

Eduardo Jorge - PV

 
Concorrendo à Presidência da República pela primeira vez, o ex-deputado federal Eduardo Jorge é o candidato do Partido Verde (PV) para as eleições deste ano. A atual vice-prefeita de Salvador, Célia Sacramento, também do PV, complementa a chapa como vice.

Médico sanitarista, 64 anos, ele nasceu em Salvador e passou a infância e a juventude em João Pessoa. Foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT) em 1980, do qual se desfiliou em 2003 quando entrou no PV. Foi deputado estadual de 1983 a 1986, deputado federal nas legislaturas de 1987 e 2003 e secretário municipal da Saúde e do Meio Ambiente de São Paulo.

Eymael (PSDC)

 

José Maria Eymael

José Maria Eymael disputa, pela quarta vez, a Presidência da República pelo Partido Social Democrata Cristão (PSDC). Ele concorreu ao cargo em 1998, 2006 e 2010. O candidato a vice na chapa de Eymael é o presidente da legenda em Roraima, Roberto Lopes. O PSDC não está coligado a nenhuma legenda.

Além de fundador do PSDC, José Maria Eymael é advogado, nasceu em Porto Alegre e tem 74 anos. Sua trajetória política começou na capital gaúcha, onde foi um dos líderes da Juventude Operária Católica. Em 1962, filiou-se ao Partido Democrata Cristão (PDC) e atuou como líder jovem do partido.

Em 1986, foi eleito deputado federal por São Paulo. Em 1990, conquistou o segundo mandato na Câmara dos Deputados. Como parlamentar federal, Eymael defendeu a manutenção da palavra Deus no preâmbulo da atual Constituição Federal durante a Assembleia Constituinte, considerado um marco em sua trajetória política.

Levy Fidelix (PRTB)

 

Levy Fidelix - PRTB

Na terceira disputa à Presidência da República, o mineiro Levy Fidelix, 62 anos, concorre pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), do qual é um dos fundadores. Fidelix concorreu ao cargo nas eleições de 2010 e de 1994. O indicado a vice na chapa é o militar reformado José Alves de Oliveira, também do PRTB. O partido não fez coligação com nenhuma legenda.

Antes de criar o PRTB, Fidelix participou da fundação do Partido Liberal (PL), em 1986, quando se lançou na carreira política e disputou uma vaga na Câmara dos Deputados pelo estado de São Paulo. Depois, migrou para o Partido Trabalhista Renovador (PTR), quando também concorreu a um mandato de deputado federal, no início dos anos 90. Apresentador de televisão, professor universitário e publicitário, Fidelix já concorreu três vezes à prefeitura da capital paulista e duas vezes ao governo do estado.

Luciana Genro (PSOL)

Luciana Genro - PSOL

Filha do atual governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, a candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, é gaúcha de Santa Maria, tem 43 anos, é casada e disputará o cargo pela primeira vez. O professor Jorge Paz completa a chapa, como candidato a vice.

PUBLICIDADE

Luciana Genro começou na militância estudantil aos 14 anos, quando integrava o PT. Foi eleita deputada estadual em 1994 e reeleita em 1998. Em 2002, conquistou o primeiro mandato de deputada federal e foi reeleita em 2006. Em 2010, tentou um novo mandato, mas não se elegeu.

Em 2003, ao lado de outros deputados petistas, Luciana foi expulsa do partido, por ter votado contra a reforma da Previdência. Os parlamentares expulsos formaram, então, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Mauro Iasi (PCB)

Mauro Iasi - PCB

O candidato do Partido Comunista Brasileiro (PCB) à Presidência da República, Mauro Iasi, nasceu em 10 de fevereiro de 1960, em São Paulo, é solteiro e professor da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sofia Manzano, que também é professora universitária, completa a chapa de Iasi, concorrendo à Vice-Presidência.

Na declaração de bens, o candidato diz que seus bens somam R$ 204.348,57. A previsão de gastos do PCB com a campanha presidencial está em R$ 100 mil.

A eleição deste ano será a primeira na qual Iasi participa como cabeça de chapa – em 2006, ele foi candidato a vice-governador de São Paulo, também pelo PCB.

Iasi participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT)  na década de 1980 e trabalhou na campanha de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, em 1989, na primeira eleição direta para o cargo após a ditadura militar. Ele deixou o partido em 2004.

Pastor Everaldo (PSC)

Pastor Everaldo - PSC

PUBLICIDADE

O candidato do PSC à Presidência da República, Pastor Everaldo, 58 anos, nasceu no Rio de Janeiro, é casado, formado em ciências atuariais pela Faculdade de Economia e Finanças do Estado do Rio de Janeiro e empresário.

Vice-presidente do partido, Pastor Everaldo é líder da igreja Assembleia de Deus e sua candidatura tem como objetivo defender os princípios cristãos e a valorização da família. Ele terá o deputado Leonardo Gadelha (PB) com vice em sua chapa.

O programa de governo do partido apresentado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi baseado em três eixos principais: qualidade de vida, poder nacional e governança. Entre as bandeiras do partido está a luta contra o aborto, o resgate de valores familiares e a redução da maioridade penal.

Rui Costa Pimenta (PCO)

Rui Costa Pimenta - PCO

O jornalista paulista Rui Costa Pimenta disputa o cargo de presidente da República pelo Partido da Causa Operária (PCO) pela quarta vez. O bancário Ricardo Machado completa a chapa, como vice-presidente. O partido não fez coligação com nenhuma legenda.

O presidente nacional do PCO e editor do jornal Causa Operária tem 57 anos e começou a vida política com a militância estudantil contra a ditadura militar. Depois desse período, Rui Costa Pimenta entrou na luta sindical e começou a trilhar o caminho da política partidária. Em 1980, ingressou no movimento Tendência Causa Operária e participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT). Em 1985, retornou à vida sindical e foi eleito diretor da Central Única dos Trabalhadores (CUT), na Grande São Paulo.

Divergências com a direção petista levaram Rui Costa Pimenta e outros militantes da causa operária a romper com o PT em 1992. Em 1995, Pimenta encabeça a criação do PCO. Pela legenda, Pimenta se candidatou a vereador, em 1996, deputado federal, em 1998, e prefeito de São Paulo, em 2000.

Zé Maria (PSTU)

Zé Maria - PSTU

O trabalhador metalúrgico e siderúrgico Zé Maria, candidato do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) à Presidência da República, nasceu em Santa Albertina, no interior de São Paulo, é solteiro e fará 57 anos no dia 2 de outubro, três dias antes das eleições. 

Zé Maria completou o ensino médio e disputará pela quarta vez a Presidência – concorreu ao cargo em 1998, 2002 e 2010. O candidato declarou à Justiça Eleitoral que tem bens no valor de R$ 20 mil e o partido estimou os gastos da campanha em R$ 400 mil.

Ele foi um dos fundadores do PT, partido do qual foi expulso em 1992, e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). A companheira de chapa de Zé Maria é a servidora pública Cláudia Durans.

(Com Agência Brasil)