Propaganda eleitoral

Na TV, Dilma questiona governabilidade de Marina ao compará-la a Collor e Jânio Quadros

O vídeo exibido nesta terça pela campanha da candidata recorreu a momentos traumáticos da história política brasileira para questionar a governabilidade de uma eventual gestão de Marina

SÃO PAULO – Na campanha eleitoral desta terça-feira (2), a candidata petista Dilma Rousseff dedicou boa parte de seu programa de televisão com críticas à Marina Silva (PSB), que aparece na frente da petista no segundo turno. Dilma relacionou a pessebista aos ex-presidentes Jânio Quadros e Fernando Collor (PTB-AL), hoje senador candidato à reeleição e parte da base do governo no Congresso.

O vídeo exibido nesta terça pela campanha da candidata recorreu a momentos traumáticos da história política brasileira para questionar a governabilidade de uma eventual gestão de Marina.

PUBLICIDADE

“A base de apoio de Marina Silva tem hoje 33 deputados. Sabe de quantos ela precisaria para aprovar um simples projeto de lei? No mínimo 129. E uma emenda constitucional? 308”, diz o locutor do programa de TV exibido em rede nacional.

“Como é que você acha que ela vai conseguir esse apoio sem fazer acordos? E será que ela quer? Será que ela tem jeito para negociar?”, continua.

“Duas vezes na nossa história, o Brasil elegeu salvadores da pátria, chefes do partido do eu sozinho. E a gente sabe como isso acabou”, afirmou o locutor do programa, fazendo referência a Jânio Quadros e a Fernando Collor de Mello, dois presidentes brasileiros que não cumpriram o mandato. 

O locutor da propaganda termina dizendo que  “sonhar é bom, mas eleição é hora de botar o pé no chão e voltar à realidade”, referindo-se indiretamente à Marina, cujos seguidores se chamam sonháticos. 

Vale ressaltar que, hoje, Dilma voltou a criticar Marina durante caminhada em São Bernardo do Campos (SP), dizendo que ficou “muito preocupada com o programa da candidata Marina [Silva], porque ela reduz a pó a política industrial”.

Confira o vídeo da propaganda de Dilma:

(Com Reuters)