Discurso à noite

Na TV, Dilma deve prometer redução ainda maior da conta de energia

De acordo com informações do jornal Correio Brasiliense, diminuição será de cerca de 18% na energia elétrica residencial e de 32% para as indústrias

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Dilma Rousseff, presidente do País, deve prometer reduções de energia ainda maiores em pronunciamento televisionado nesta noite, disse o Blog do Vicente, do jornal Correio Brasiliense. Ela deve prometer uma diminuição de 18% na conta de energia elétrica residencial e de 32% para as indústrias. 

No mês de setembro, Dilma havia prometido uma redução de 16,2% para residências e de até 28% para indústrias – o que fez com que as elétricas despencassem na BM&FBovespa. De acordo com o blog, o governo voltou a rever as metas, decidindo por ampliar e antecipar o desconto.

Esse pronunciamento será feito a despeito de todas as críticas recebidas pela MP 579, sobre as renovações de concessões do setor, nos últimos meses e a especulação de que um racionamento deve ocorrer nos próximos meses. Dilma deverá afirmar em seu discurso que o Brasil está em situação privilegiada e que não há risco de racionamento ou estrangulamento do sistema no Brasil. 

Aprenda a investir na bolsa

Dilma ainda deve destacar os investimentos realizados pelo governo no setor de energia, que acrescentaram 4 mil MW (Megawatts) de potência instalada no ano passado, além de construir 2,7 mil quilômetros de novas linhas e a construção de novas usinas. No pronunciamento, a presidente deve fazer mais uma promessa, garantindo que a capacidade instalada de energia elétrica vai dobrar em 15 anos. Atualmente, ela fica em 121 mil MW.

Por fim, Dilma também fará críticas aos governos anteriores ao Lula, atribuindo os problemas atuais às gestões anteriores. Para ela, o sistema de energia do Brasil é um dos mais seguros do mundo – com diversas formas de produção, como as hidrelétricas, nucleares, térmicas e eólicas. Além disso, Dilma deve criticar as pessoas que diziam que seria impossível reduzir o custo de energia e a conta de luz dos brasileiros sem colocar em risco a segurança do sistema.