RADAR INFOMONEY Ações da Vale, Gerdau e Usiminas são vistas com otimismo por analistas antes de balanços; assista ao programa desta segunda

Ações da Vale, Gerdau e Usiminas são vistas com otimismo por analistas antes de balanços; assista ao programa desta segunda

Na hora de cortar gastos, brasileiro opta por comprar menos roupas e móveis

Segundo Ibope, a crise fez com que 45% dos consumidores reduzissem o consumo desses itens

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – De acordo com a pesquisa A Crise no Mundo, realizada pelo Ibope Inteligência, diante da atual situação econômica, os brasileiros seguem a tendência mundial de redução de gastos, deixando de adquirir vestuário, móveis e eletrodomésticos.

Isso porque 45% da população do país disse que reduziu as despesas com vestuário, calçado e acessórios, e o mesmo percentual mencionou a redução nas compras maiores para casa, como móveis e eletrodomésticos.

Feita em parceria com a rede global de pesquisa WIN (Worldwide Independent Network od Market Research), a pesquisa ouviu 20.325 pessoas em 25 países, entre os meses de fevereiro e março, sobre o futuro de seu país e de sua renda, sobre confiança nas instituições e sobre consumo de bens e serviços.

Cortando os gastos

Aprenda a investir na bolsa

Outros itens citados pelos brasileiros, na hora de cortar despesas, foram o segmento de entretenimento, como cinema e restaurante, e o de férias e viagens, conforme demonstra a tabela abaixo:

ItemPopulação que já reduziu gastos (%)
Vestuário/Calçado/Acessório45%
Compras maiores para casa: móveis, eletrodomésticos etc45%
Entretenimento: restaurante, cinema etc38%
Mantimentos: de alimentos a produtos de limpeza38%
Férias/Viagem37%
Telefonia celular37%
Melhorias/Reforma na casa31%
Transporte ou deslocamento para o trabalho27%
Internet em casa12%
TV por assinatura10%

Fonte: Ibope Inteligência/WIN

Dados mundiais

Par se ter uma ideia, os dados gerais da pesquisa apontam que, devido à crise financeira, 52% da população dos países estudados já cortou gastos com vestuário, calçado e acessório.

Além disso, 48% deixaram de comprar móveis e eletrodomésticos e o mesmo percentual diminuiu as despesas com restaurantes, entre outros itens de entretenimento.