Operação Lava Jato

MP denuncia Vaccari e Duque por lavagem de R$ 2,4 mi através de 24 operações

Segundo informações da força-tarefa montada pelos procuradores, a prática foi identificada 24 vezes entre abril de 2010 e dezembro de 2013; Augusto Mendonça Neto também foi denunciado

SÃO PAULO – O Ministério Público Federal apresentou nesta segunda-feira à Justiça nova acusação formal contra o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o ex-diretor de Serviços da Petrobras (PETR3;PETR4) Renato Duque pelo crime de lavagem de dinheiro no valor total de R$ 2,4 milhões no âmbito da operação Lava Jato, informou o MPF em nota.

Segundo informações da força-tarefa montada pelos procuradores, a prática foi identificada 24 vezes entre abril de 2010 e dezembro de 2013. O dono da Setal Engenharia e executivo da Toyo Setal Empreendimentos Augusto Mendonça Neto também foi denunciado.

PUBLICIDADE

De acordo com a denúncia do MP, uma parte da propina paga para o ex-diretor de serviços da Petrobras foi direcionada por empresas do grupo Setal Óleo e Gás, controlado por Mendonça, para a Editora Gráfica Atitude Ltda., a pedido de João Vaccari Neto.  As empresas assinaram dois contratos com a Atitude com o objetivo de disfarçar o pagamento de propina, sustenta o MP.

A gráfica, contudo, jamais teria prestado às empresas do grupo Setal, emitindo notas frias para justificar os pagamentos. Os procuradores pedem a condenação dos réus à restituição de R$ 2,4 milhões, além do pagamento, a título de indenização, de mais R$ 4,8 milhões.

A pena para o crime de lavagem de dinheiro é de três a dez anos de prisão e será aumentada de um até dois terços em razão da reiteração dos crimes e de terem sido praticados por organização criminosa.