Vice-presidente

Mourão defende subsídios a combustíveis e vê custos de até R$14 bi

Ele não mencionou a Petrobras, mas a empresa, controlada pelo governo, elevou os pagamentos à União após um lucro recorde em 2021

Por  Reuters -

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) – O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu nesta quarta-feira um subsídio para ajudar a controlar o preço dos combustíveis em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia, por um período determinado, e estimou um custo de 13 bilhões a 14 bilhões de reais.

“Na minha opinião, a linha de ação que causasse menos danos a posteriori seria usar os recursos de royalties e dividendos para dar um subsídio ao combustível durante um período devidamente qualificado”, defendeu.

Ele não mencionou a Petrobras, mas a empresa, controlada pelo governo, elevou os pagamentos à União após um lucro recorde em 2021. Os dividendos pagos a todos os acionistas somaram 101,4 bilhões de reais.

“Acho que isso (o custo do subsídio) daria uns 13, 14 bilhões durante três ou quatro meses, até que o conflito amainasse e o preço do combustível voltasse a níveis mais adequados.”

Mourão não participa das reuniões de governo que vem analisando alternativas para tentar conter o reflexo da alta do petróleo nos preços internos, mas mantém contatos com a equipe econômica.

Nesta quarta, o presidente Jair Bolsonaro se reúne com os ministros da Fazenda, Paulo Guedes, da Casa Civil, Ciro Nogueira, de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para tentar um acordo entre a ala política e a econômica do governo.

Um encontro apenas entre os ministros, na terça-feira, terminou sem um acordo sobre o melhor caminho a tomar.

A equipe econômica, que inicialmente era contra a ideia de um programa de subvenção de preços de combustíveis, já admite a criação do subsídio, apesar de inicialmente contrária à proposta.

A intenção da Economia era focar na aprovação de projetos no que possam atenuar o preço dos combustíveis e que já estão na pauta do Congresso, e acredita que é possível ter até mesmo o apoio da oposição.

“Queremos os dois: o PL que muda a cobrança de ICMS e também a subvenção, mas primeiro queremos garantir a redução e impostos para garantir que todos vão pagar esse conta (União e Estados)”, disse uma fonte ligada a área econômica.

“Depois, se precisar, fazemos o programa de subvenção nos moldes do que foi feito no governo (Michel) Temer. A ideia é que ele duraria três meses.”

Nesta quarta-feira, os preços do petróleo despencavam cerca de 5% no mercado internacional, quando os investidores avaliaram a proibição dos Estados Unidos às importações de petróleo russo, após uma disparada nos últimos dias.

A visão de que a proibição dos EUA às importações de petróleo russo pode não piorar a escassez manteve os preços sob controle, disseram traders.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe