AO VIVO Renda extra imobiliária: Como montar uma carteira vencedora de FIIs; assista

Renda extra imobiliária: Como montar uma carteira vencedora de FIIs; assista

“Momento é excelente para Cemig”, diz corretora, que sugere saída de Light e Copel

Para analistas, papéis da empresa mineira estão subvalorizados, sobretudo em face de seus menores riscos políticos

SÃO PAULO – “O momento é excelente para a Cemig”. A frase abre relatório elaborado por Marcos Severine, Mariana Coelho e Marcel Shiomi, analistas da Itaú Corretora, acerca da atratividade dos papéis preferenciais da companhia mineira (CMIG4).

A recomendação da equipe é clara: “sugerimos a saída da Light (LIGT3) e da Copel (CPLE6) rumo à Cemig”. Para os analistas, os dois primeiros papéis estariam supervalorizados quando comparados aos da Cemig, que desfruta de um cenário político mais tranquilo.

Light
Um dos aspectos analisados pela corretora é a aquisição recentemente realizada pela Cemig de parte do capital da Light, por meio de uma operação com a Andrade Gutierrez e baseada “no mesmo preço que o pago em janeiro deste ano para as participações da Equatorial e da Andrade na Light”.

PUBLICIDADE

Na visão do Itaú, a transação dificilmente ensejará tag along aos acionistas da Light, “uma vez que a Cemig sempre foi parte do bloco controlador”. Ademais, mesmo em uma remota possibilidade de concessão de tag along, “ela poderia levar muito tempo para ser concretizada, talvez até mesmo um ano, como foi no caso da Terna”.

Além da imprevisibilidade do tempo, o Itaú alerta que mesmo um eventual tag along não compensa ao investidor manter as ações da Light. De acordo com a corretora, a nova tese de investimentos da empresa poderá comprometer sua boa política de dividendos, e os recentes cortes de energia na área de concessão deverão trazer aumento nas despesas de pessoal, manutenção, serviços e outras.

Análise política
Outro aspecto que sustenta a recomendação positiva dos analistas do Itaú às ações da Cemig é de dimensão política. Para a corretora, os riscos de tal esfera em um ano de eleições ainda não estão precificados nos ativos da Light e da Copel, ao contrário do que ocorre com os da empresa mineira.

“Os cenários políticos negativos relativos às eleições para governador já estão precificados nos papéis preferenciais da Cemig”, afirmam os analistas. Até o momento, o favorito para vencer em Minas Gerais é Hélio Costa (PMDB-MG), que recentemente vem contando com o apoio eleitoral do petista Fernando Pimentel. No entanto, o Itaú não descarta um fôlego extra de Antônio Anastásia (PSDB-MG), atual vice-governador, assim que ele assuma o governo em abril, quando Aécio Neves deve se retirar.